sexo com a cunhada

Sexo com a minha cunhada tesuda

Quem não tem uma cunhada toda boa e nunca teve a maior vontade de comê-la deliciosamente! A minha cunhada é um tesão. O rabo dela é perfeito, redondinho, um coração, lisinha, sem celulite, sem marquinhas de nada… e tem uma cintura magrinha, barriguinha lisa, os seios pequenos e durinhos. É daquelas que fazem qualquer homem torcer o pescoço quando passa na rua. Tem um ar de

Sexo com a sogra bêbada

O dia em que comi a minha sogra foi o melhor dia da minha vida, moro com minha namorada a mais ou menos 2 anos, e essa transa é algo que permanece em segredo até hoje Tudo aconteceu eu um sábado, era meu aniversário; Gabriela, minha namorada preparou uma grande festa surpresa para mim, convidou meus melhores amigos, meus colegas da empresa e uns amigos em comum que temos aqui em Belo Horizonte. Eu (Diego) acordei, eram mais ou menos 10 da manhã de um sábado; estava dormindo na sala depois de uma sexta-feira no bar com os amigos e a namorada Gabriela, que aceitava muito bem quando eu saia para beber com meus amigos. Gabriela havia preparado uma festa surpresa para meu aniversário, neste mesmo sábado e eu nem sabia de nada! Minha sogra, que sabia de tudo mas não me contou, acordou por volta das 12h, ela, Sandra, estava de férias, e veio aproveitar de data de meu aniversário para visitar sua filha. Quando foi por volta das 4 da tarde, chegou o primeiro convidado da festa surpresa, foi ai que descobri a respeito. Dai em diante, meus amigos começaram a chegar; eu estava muito feliz! Gabriela, uma morena baixinha, de seios fartos, coxas definidas e uma bela bunda, estava feliz com minha surpresa A seguir foi só festa! Minha casa estava repleta de amigos, estávamos bebendo, dando risadas e conversando sobre a vida. Enquanto isso, Sandra, minha sogra, não parava de tomar seu drink de vodka e soda! Sandra estava por volta dos seus 45 anos, tinha seios fartos, um pouco acima de seu peso, mas nada que a torne feia, apesar de casada, sempre gostou de sair com as filhas e com as amigas para beber e conversar. Suas coxas eram grossas, sua bunda era grande e com um pouco de celulite, eu havia reparado quando fomos a praia. Ja passara das 2 da manha, todos estavam bêbados, Sandra, que não tinha controle, acabou bebendo mais do que suportava, a maioria dos convidados ja tinham ido embora e Gabriela também estava muito bêbada. Educadamente encerrei a festa, os convidados foram embora, e eu, ja bem alterado, continuei a beber; sempre que bebo um pouco mais, me encho de tesão, e Gabriela também. Já pensando em comer minha namorada, levei-a para o quarto e coloquei-a na cama, tirei sua roupa, e passei minha mão por todo seu corpo, inclusive pela sua boceta, masturbando bem devagar. Gabi estava muito bêbada, então me aproveitei disso e chupei todo o seu corpo. Quando esta prestes a comer aquela boceta deliciosa, me lembrei que minha sogra estava na sala, totalmente apagada no sofá. Sai do meu quarto e fui para a sala com a intenção de pedir que minha sogra fosse para o quarto que haviamos separado, uma vez q nossa casa era grande e tivesse um quarto de hóspedes. Cutuquei Sandra para que se levantasse, e nada; cutuquei mais uma vez, e ela nem se movia. Derrepente, senti um calor, algo que nunca havia sentido antes. Um tesão mesmo! Parei de tentar acordar Sandra e fiquei apenas olhando minha sogra deitada no sofá. Ela estava com um vestido florido, de alça, na altura de seus joelhos; durante aquela admiração, um impulso me fez tocar suas pernas na altura do joelho. Não sei o que aconteceu comigo, sentia um misto de medo com tesão. Como Sandra não esboçou reação resolvi subir minhas mãos pelas suas coxas. Nada de Sandra se mover, ela estava completamente bêbada! Eu ja tinha perdido a noção do perigo, minhas mãos já estavam em sua virilia, hesitei em tocar sua calcinha, mas como estava morrendo de tesão e com meu pau já doendo de tão duro, toquei sua calcinha macia. Minha mão estava completamente embaixo de seu vestido, Sandra nem se mexia, levantei seu vestido e ví aquela calcinha preta, de renda, com um fio na lateral para não marcar seu vestido. Não me aguentei e coloquei meu dedo em seu grelo, bem devagar comei a massagear, Sandra um pequeno movimento, me assustei, mas vi que ela não acordara. Continuei massageando seu clitóris, Sandra fez um leve movimento com o quadril que me deixou louco, foi um movimento de quem sentia prazer. Parei, e ja sem medo das consequencias, tirei sua calcinha bem devagar, me aproveitei dela estar muito bêbada. Olhei aquela maravilhosa boceta e bem devagar comecei a chupar. Sandra começou a se contorcer, mas era de prazer, olhava em seu rosto, e ela, de olhos fechados, ia movimentado seu quadril contra minha boca. Fiquei chupando aquela boceta por uns 5 minutos, parecia que minha sogra estava sonhando, resolvi parar, me levantei, coloquei meus dedos em sua boceta e com meu pau para fora, o passava em sua boca, até que ela abriu e começou a chupar, Eu não estava acreditando, minha Sogra, totalmente inconsciente chuoava meu pau! Dai que tirei meu pau de sua boca, coloquei meu dedo no lugar, vagarosamente abri suas pernas e comecei a penetrar, bem devagar,coloquei meu pau naquela boceta ja molhada. Comecei a bombar bem devagar, mas ja estava sem medo; Sandra parecia que estava sonhando e eu comendo aquela boceta deliciosa e molhada. Fui bombambo cada vez mais forte, quando meno esperava, ja consumido pelo prazer e medo, Sandra agarra meu braço. abre os olhos e diz: – Me fode! Aquilo me transformou em um monstro, já não sabia se era um sonho ou realidade. Eu comia aquela boceta, como se fosse a única no mundo, Sandra abafava seus gemidos e pedia mais, bem baixinho, como se soubesse o que estava acontecendo. Virei ela de brucos e comecei a chupar seu cuzinho, ela fazia contrações com sua bunda deliciosa e dizia: – Me rasga! Não pensei duas vezes, cuspi em seu cu e comei a enfiar, e de repente, minha sogra pediu que eu parasse! Comecei a tremer, ela se levantou, foi até o quarto de hóspedes evoltou em seguida, trazendo algumas gramas de cocaína e um cigarro de maconha (eu já havia fumado com ela e com minha namorada). sandra sentou no sofá e disse: – Diego, você fez algo que eu nunca esperava que alguém fizesse, meu marido nunca me comeu assim, e, eu juro por tudo, que nunca me senti tão desejada, minha boceta está latejando de desejo do seu pau. respondi:r – sandra, meu desejo por você foi algo sujo, só queria estuprá-la, ouvir você pedindo para que eu parasse! Sandra me olhou, fez 4 carreiras de cocaina e cheirou 2, me olhou novamente e me ofereceu. Cheirei uma carreira em cada narina, minha sogra ascendeu o cigarro de maconha, deu uns 2 ou 3 tragos e me passou. Enquanto eu fumava, Sandra chupava meu pau, de uma forma que que eu nunca senti antes. Dei duas bolas e passei pra ela, e assima foi. Enquanto eu fumava ela me chupava. Quando o cigarro acabou, já estávamos loucos de pós, eu falei: – Só quero seu cuzinho. Sandra respondeu: – É seu! Comecei a chupar novamente seu cuzinho, coloquei a cabeça do meu pau bem devagar em seu cu e fui bombamdo. aquela cena de eu comendo minh sogra, totalmente drogados era demais; enfiei mais forte e Sandra abafou um grito na almofada do sofá. E fui bombando, quando estava para gozar em seu cu, tirei meu pau e puxei, violentamente minha sogra em direção a ele. Coloquei a boca de Sandra na minhan piroca, ela sugou poucas vezes, e eu, tomado por aquele tesão gozei, Minha sogra sugou minha porra por completo, lambia minha rola como se fosse um sorvete, e eu nunca imaginava que aquela mulherer, de quase 50 anos sabia fazer aquilo. Assim que terminamos, lhe dei um beijo, ela ainda com um pouco da minha porra, nos lambuzamos e ela com o dedo lambuzado me fez um fio terra. Assim ficamos por uns 10 minutos e fui me deitar com Gabriela. No dia seguinte, agimos como se nada tivesse acontecido, até o dia em que abusei da minha cunhada bêbada; pois tomei gosto por isso. Espero que me compreendam.

Arrombando o cuzinho da cunhada

Olá Sras. e Srs, tudo bem com vocês? Primeiramente, gostaria de agradecer a quantidade e-mail enviadas por leitores elogiando meus contos, fazendo perguntas ou até mesmo enviando fotos de suas aventuras (não publicarei os nomes aqui por respeitar o pedido de sigilo). Muito obrigado! Conforme pedido, segue mais uma historinha vivida com a minha ex-cunhada, com quem curti muitos bons momentos. Sou um cara que adora ver filmes e videos pornôs e muita coisa que vejo ali, procuro fazer com minhas parceiras. Certa vez, vi um video que me deixou maluco…rs. Pra variar, a historinha não fazia sentido nenhum, aliás, pra que historinha, não é? Duas amigas estavam sentadas em uma banqueta, na frente de um bar, uma delas com uma saia tao curta que sua bunda ficava a mostra! Um cara estava observando ao longe a conversa e

Tirando a virgindade da minha cunhada inocente

Olá,estou chegando pela primeira vez para escrever,mas eu sempre leio vários contos eróticos, principalmente os que são enviados por mulheres,podem me chamar de JPC,sou casado e vou contar como tirei a virgindade da minha cunhada.Ela é muito gostosa,pois apesar de ser baixinha,tem um corpinho moreninho,umas coxas deliciosas e os peitinhos médios e bem durinhos.Ela é bem mais nova que minha esposa pois é a casulinha da família,sou seu padrinho e por isso eu sempre a pegava no colo e fazia carinhos,dava beijinhos e a abraçava, mas tudo isso não passava de carinhos de padrinho, mas sempre me deixava de pau duro,dai eu tirava uma esporrada e voltava ao normal.Passou muito tempo e ela cresceu, seus pais se mudaram para mais longe e isso acabou.Algumas

Comendo o rabo da minha cunhada safada

Me chamo Willian , tenho 32 anos e 1, 90m de altura e sou um homem grande em todos os sentidos rsrs. Sou casado a 3 anos com Elaine, 35 anos e seios fartos, e temos uma vida sexual bastante ativa. Minha esposa tem uma família bem grande com muitos irmãos e uma irmã que sempre tive vontade de foder desde a época que namorávamos, pois minha esposa caiu na besteira um dia bêbada, de me dizer que a irmã dela adorava dar o cuzinho. O nome da minha cunhada é Maria, ela tem 37 anos, 1, 70m, seios turbinados e uma bunda bem durinha. Ela casada com o Jorge, um cara bem legal, e eles tem 4 filhos. Sempre fiquei imaginando que o fato deles terem 4 filhos e de ela adora dar o cu que a Maria devia ser uma mulher muito fogosa e tarada. Sempre vamos na casa da minha cunhada e sempre que estou por lá eu fico secando aquele rabo gostoso dela e muita das vezes percebo que a vadia esta sem calcinha, um tesão só. Minha cunhada e minha esposa são muito ligadas e conversam quase que diariamente pelo telefone e eu que não sou besta muita das vezes finjo que estou dormindo e fico só escutando a conversa das duas. Certa vez percebi que a conversa tomou um rumo diferente e achei aquilo extremamente interessante. Minha cunhada estava contando a minha esposa que um antigo

Comendo a Cunhada

Me chamo Pabllo, tenho 40 anos, não tenho porte atlético mais acho que dou para o gasto. Vou contar como comi minha cunhadinha. O nome dela é Grazy ela é branca, 1,70 de altura, seios pequenos e toda atlética, Ela tinha acabado de ter tido filho então estava naquela fazer que a mulher não se preocupa em cuidar de se e sim do filho, meu cunhado ele é meio ignorante sempre brigavam e com a chegada do filho piorou mais ainda. Ela não se cuidava muito e como é normal em alguns casos a mulher fica meio relaxada presa em casa cuidado do filho. Passavamos muito tempo juntos quase todo final de semana passavamos com eles minha esposa para dar um suporte e eu ia para fazer companhia. Ele sempre falava das mulheres que ele pegava e se vangloriando. Uma destas semanas ele precisou viajar para trabalhar e ela chamou para passarmos o final de semana lá. Chegando lá ta ela com aquele sutian de amamentação berge cabelos sem arrumar.

Delícia de Cunhada Casada

Olá… avisei a ela que iria enviar este relato e ela adorou… Sou Loiro de Olhos azuis…Alto…em forma apesar dos 39 anos…… bem dotado…Mas vamos aos fatos..Tenho uma Cunhada Baixinha… super gata… uns 35 anos… dois filhos…. super gostosa.. e que já abalava minha cabeça com fantasias…Um dia porem, estava na estrada quando recebi uma ligaçao dela querendo saber se eu estava chateado no aniversário na casa do filho dela. Achei estranho e falei que não que estava tudo bem.. e ela me perguntou se poderia fazer algo. Imediatamente respondi que sim.. que ela poderia se desculpar não sei pelo que..rs com um beijo na boca bem gostoso. A partir daí começamos a nos falar pelo fone, e-mail… e as

Comendo a minha cunhada por engano

Pessoal, minha história se passou este ano de 2017. Sou uma pessoa comum, sou casado a 10 anos e contando namoro e noivado são aproximadamente 15 anos de relacionamento. Tenho uma vida sexual bem ativa e minha esposa e eu temos predileção por sexo anal, ao ponto de fazermos raramente sexo vaginal (sou sortudo rss). O fato ocorreu em uma quarta feira, fui trabalhar e devido a rotina familiar atual em que tenho 2 filhos pequenos atrelado a correria de trabalho fiquei sem fazer sexo por volta de 5 a 6 dias com minha mulher. Ela estava com rotina de trabalho apertada além das coisas de casa, crianças vocês sabem como é. Ela me enviou uma mensagem de texto dizendo que hoje estava com vontade e que mesmo se eu chegasse tarde era para acorda-la. Fiquei com bastante tesão, porém era meu dia de futebol e fiz como de costume, fui para o lazer e depois rolou um churrasquinho, bebi umas cervejas e fui para casa por volta de 00:45 meio bêbado só que cheio de tesão. Conforme toda semana cheguei em casa e evitei fazer barulho, a luz do quarto estava apagada e bem escuro (tenho cortina blackout), tomei um banho e deitei ao lado da pessoa que julgava ser minha esposa que a principio conforme combinado era para fuder, ela dava sinais que sim, pois quem é casado conhece sua mulher que tem, como o quarto é bem escuro percebi que ela estava deitada de lado com a bunda virada para o meu lado e isto é um sinal quando ela quer me dar. Naquele exato momento eu não sabia, porém não era minha esposa. Vou explicar. Minha esposa é da área de saúde e trabalha de plantão, não era seu dia e ela foi chamada as pressas para ir para o trabalho, como minha cunhada estava de visita ela pediu para ela dormir na minha casa para ficar com as crianças e eu ir para o futebol, já que ela estava com consciência pesada por me deixar na mão novamente. Minha cunhada depois me disse que colocou as crianças para dormirem e como tinha ligado o ar condicionado e estava no meu quarto acabou ficando, a TV desligou sozinha pois fica programada para desligar certa hora. Não reparei que não era minha mulher por que elas são de certa forma parecidas, a diferença que minha cunhada tem um peito grande e minha mulher pequeno, porem a bunda é idêntica. minha cunhada é loira de cabelo curto, tem um pouco de barriga, bunda empinada e grande, ela diferente de minha esposa tem gênio forte, não casou e teve diversos casos, namorados enfim, deu foi muito. Nós tivemos diversos problemas de relacionamentos familiar, inclusive paramos de nos falar diversas vezes. Voltando, tudo escuro deitei ao lado dela, ergui o edredom e senti que ela estava de lado de camisola que estava embolada acima do quadril, expondo a bunda. Ao sarrar naquela bunda achei estranho pois a calcinha era minuscula (minha esposa usa grande principalmente para dormir), achei que devia ser para me agradar. Como estava com tesão, sarrei naquele rabo gostoso e percebi que ela estava meio dormindo e sarrou de volta jogando a bunda para trás, minha pica estava dura devido a promessa de sexo e o tempo de abstinência. Como sou casado a muito tempo o que vou relatar pode ser defeito e tal, só que muitas vezes se a rola esta dura não tem nem preliminar eu meto gozo e pronto, principalmente nesta situação de estar tarde da noite e que iremos trabalhar no dia seguinte. Voltando, como ela sarrou e o pau estava duro eu estiquei o braço no criado mudo e peguei o lubrificante, falei para ela “fica de quatro que esta duro”. Ela devagar retirou o edredom de cima sem tirar a camisola que estava embolada no tronco e se posicionou e colocou a calcinha para o lado, eu lambuzei a pica e me posicionei encaixando o quadril, como sempre faço, encostei a cabeça e fui empurrando devagar para dentro do cu. Sempre demoro e fico parado alguns segundos antes de começar a socar, conforme ia entrando percebi que estava um pouco mais apertado e a respiração bem ofegante dela, após alguns segundos comecei a socar, gosto de estocar lentamente no inicio tirando até a cabeça e enfiando tudo, achei estranho por que minha esposa se masturba durante a penetração e desta vez não estava, isso me deu tesão, coloquei a mão na perna dela e senti que ela estava ensopada na buceta, o que me deu muito tesão então gozei no fundo do cu, percebi que quando gozei na hora do jato ela gemeu forte. Meio tonto (devido a cerveja do futebol) fui para o banheiro dentro do nosso quarto para o banho, quando estava no box e ensaboado percebo que minha “pseudo” esposa estava sentada no vazo sanitário, desligo o chuveiro abro o box e quase caio para trás, era minha cunhada, fiquei atônito e sem palavras, ela olha e tenta explicar “Eu vim visitar para ver as crianças, o trabalho da Maria ligou e ela teve que ir as pressas e não te avisou, (ela explicou conforme eu disse no inicio por que estava no meu quarto) percebi que você estava sem saber que era eu e meio bêbado por causa do cheiro de cerveja, como eu estava dormindo e estou sem transar a tempos acabei me deixando levar e fiz merda..Por favor vamos botar uma pedra nisso, já sou mau vista na família devido as putarias só que gosto muito da minha irmã”. Perguntei por que ela se submeteu ao sexo daquele

Flagrados pela cunhada

Tudo teve inicio já se fazem alguns dias, uma Irma de Marli a flagrou fazendo um boquete logo no café da manha.

Comi minha cunhada safada

Me chamado Miguel, tenho 26 anos. Namoro uma garota da mesma idade que a minha, linda, tínhamos um relacionamento ótimo, até a irmã dela voltar a morar com ela… a irmã tem 40 anos, mas parece ter 30. Bem em forma, peitos bem grandes, coxas grossas e um rosto bem safado.

Tirando o cabaço de minha cunhada virgem

Eu tenho 36 anos e me chamo Renato (fictício). Minha esposa tem uma irmã de 19 anos que vou chamar de Solange, ela desde os 15 anos se tornou evangélica, o que é uma pena pois ela é uma morena cor de jambo muito gostosa com uma bunda e seios maravilhosos. Ela diz para a irmã que é virgem e os seus namoros nunca passaram de beijos.

O pecado chamado: Cunhada mais nova.

Isso aconteceu a mais ou menos 8 meses. Me chamo Eduardo, namoro com Fernanda há 4 anos, ambos com 25 anos. Tenho duas cunhadas, Paula de 30 anos, casada e mãe de dois filhos, e a Carol de 22 anos que namora com um rapaz há 2 anos.

Eu e minha cunhada caímos na tentação

Na época dessa história tinha uns 16 anos, e um belo corpo cabelo curto e castanho liso mas com uma ondas .

Cunhada safada

Cunhada safada: Tudo começou quando minha esposa deu a luz ao nosso filho, como minha esposa e eu trabalhamos fora, minha esposa chamou sua irmã mais nova (24 anos) para vir morar com a gente em São Paulo, nos á contrataríamos como babá do nosso filho; Minha cunhada aceitou porque ela mora em uma pequena cidade no interior de MG, e lá não tem muitas oportunidades de emprego. E assim minha cunhada veio morar na minha casa, em janeiro/09. Desde sua chegada a nossa rotina mudou bastante eu passei a evitar andar sem camiseta em casa, após o banho me trocava no próprio banheiro e não mais no meu quarto, coisas deste tipo. Nos finais de semana eu sempre me levanto antes da minha esposa e da minha cunhada, e vou até a padaria, no retorno eu preparo lanches para tomarmos o café da manhã juntos, as sexta e sábados à noite, costumamos assistir a filmes, mas minha esposa raramente nos acompanha, pois vai dormir sedo, acompanhado nosso filho, e minha cunhada e eu, ficamos na sala sempre tomando uma cerveja ou uma caipirinha, contávamos histórias sobre a infância um do outro, sobre os namorados e namoradas, e às vezes caiamos no assunto sexo, ela sempre dizia que o ruim de estar em SP, é que ela não conhecia ninguém, e que já estava subindo pelas paredes entre outras coisas, quase todos os finais de semana eram assim. Minha esposa e eu trabalhamos de segunda a sexta, ela é enfermeira e trabalho em um escritorio de rh, às vezes minha esposa faz plantão nos finais de semana, para ganhar um dinheiro extra, e eu fico com meu filho e minha cunhada. Em um desses finais que semana que minha esposa foi trabalhar já em setembro/09 minha cunha e eu revezamos quem cuidava do meu filho em quanto o outro tomava banho, eu fui tomar banho primeiro, e como de costume me troque no próprio banheiro, e fui cuidar do meu filho para que minha cunhada pudesse tomar seu banho, um tempo depois ela abre um pouco a porta e me chama, ao chegar na porta do banheiro ela coloca apenas o rosto na abertura e pede para eu pegar a sua toalha que ficou em cima da cama, eu prontamente peguei e entreguei a ela, sem nenhuma malicia, ela saiu do banho usando um conjunto vermelho com um decote não muito grande, mas sem sutiã, e com um shortinho, que chamava a atenção, pois minha cunhada é baixinha (1,65 +ou-) e é um pouco fofinha, e tem seios avantajados, ela puxou conversa e pediu para que eu não comentasse nada com a minha esposa, pois ela é ciumenta e poderia interpretar de outra forma, eu concordei lógico. Na manhã seguinte minha esposa foi trabalhar novamente e eu fui até a padaria, ao retornar minha cunhada já estava de banho tomado e já estava preparando o café, eu perguntei o que milagre é esse você já levantou, já tomou banho. Ela riu e respondeu, dizendo que tinha que tomar um banho para se refrescar, pois tinha tido um sonho muito louco, eu curioso perguntei qual tinha sido o sonho e ela sem frescura me respondeu:- Sonhei que estávamos todos dormindo, e você veio até a minha cama e começou a me beijar, eu dizia para você parar porque a minha irmã podia acordar, mas você não parava e ficava falando se eu não estava gostando, se eu não queria.Eu então meio sem jeito comecei a fazer perguntas, – Mas e aí, a gente continuou se beijando?- Sim! Você começou a tirar minha roupa, ficou me beijando e nós fizemos amor um tempão, e o pior é que eu acordei com uma dor por dentro das coxas, até parece que a gente transou mesmo.Confesso que fiquei de pau duro ouvindo aquilo, e comecei a dar algumas investidas para ver até onde íamos chegar; e em tom de brincadeira falai: – Mais e ai? Foi bom? – FOI !!! Ela respondeu ser pensar. – – Bom eu também quero ter esse sonho, principalmente se eu puder estar acordado. Ela riu e perguntou se eu teria coragem de trair a irmã dela, eu disse não seria uma traição e sim uma forma de ajuda, pois ela devia estar subindo pelas paredes, pois além de estar tantos meses sem dar uma e ainda tem que ficar ouvindo a sua irmã e eu transando, nada mais justo do que eu dar uma ajudinha nisso. Ela disse que era melhor mudarmos de assunto, porque se não ela ia ter que tomar outro banho. Minha cunhada ficou durante o dia desfilando com aquele shortinho dentro de casa como se eu não estivesse ali, aquilo estava me deixando fora de mim, até que após o almoço meu filho dormiu, eu então decidi que era a hora de tentar alguma coisa, pois se tivesse que ser seria nesse dia. Fui até a cozinha e trouxe uma latinha de cerveja para minha cunhada e outra para mim, e começamos a conversar eu fui direto ao ponto. – Bom agora eu vou encher a cara, e ver se pego no sono porque eu to loco pra sonhar a mesma coisa que você. Ela riu e disse que era melhor eu esquecer aquilo, porque se a minha esposa descobrisse iria matar nos dois, eu respondi dizendo que isso era impossível de acontecer porque se nenhum de nos contasse, ela nunca iria descobri, disse isso e me aproximei dela sentando bem ao seu lado no sofá, ela se arrepiou eu mandou que eu parasse com aquilo porque ela já estava com um calorão, mas não se afastou, eu então dei a cantada final. – Bom eu também estou com calorão, então vamos tomar um banho juntos e não falamos mais nisso; E a abracei. Minha cunhada se transformou, ela olhou aquele volume na minha bermuda, e disse o que é isso você ta de pau duro você não tem vergonha, eu peguei a mão dela e coloquei na minha rola sobre a bermuda, ao mesmo tempo em que dei um beijo na boca dela, ela apalpou o meu volume o que me deixou mais excitado ainda, abaixei o calção de modo que mostrasse para ela o meu pau, olhei para seu rosto e comecei a puxar meu calção enquanto a olhava procurando ver a sua reação, seus olhos brilhavam com o que via, meu pau saindo lentamente do calção, deixando-a extasiada, Agora a minha intenção era tocar na sua bucetinha, por isso metia a mão entre suas pernas a procura dela, que encontrei e acariciei com a pontinha do dedo, de baixo para cima terminando por tocar em seu grelinho que já estava durinho, fazendo-a gemer ao meu toque, me ajoelhei e tirei eu shortinho e pude ver a buceta dela alagada, passei a morder e lamber sua buceta por cima da calcinha, aquele cheiro de buceta melada me enlouqueceu, puxei a calcinha de lado e um fio de baba da buceta foi junto com a calcinha…, louco de excitação, caí de boca e chupei e lambi o quanto pude…penetrava minha língua fundo na buceta dela e sentia as contrações na minha língua, e o gosto delicioso daquela buceta apertadinha….chupava os lábios da buceta com força e sentia minha cunhada se contorcer, ela erguia os quadris permitindo ser penetrada pela língua… chupei, chupei até ela começar a gemer e pedir para que eu parasse. – Eu só vou parar quando sentir o seu gostinho, goza na minha boca gostosa, eu quero sentir o seu gosto. Ela continuou gemendo e se contorcendo até que colocou as mãos sobre minha cabeça e começou a forçá-la contra a sua buceta dizendo. – CHUPA FILHA DA MÃE, FAZ EU GOZAR GOSTOSO, VAI LAMBE MINHA BUCETA, CHUPA ELA VAI, HUMM, LAMBE MAIS SAFADO. Minha cunhada tinha um buceta maravilhosa, lábio carnudo uma delicia que eu me deliciava em chupá-la, aí ouvi ela dizer baixinho: – To gozandoooooo! Eu pude sentir o gostinho do seu gozo era uma delicia. Ela me puxou do chão me fazendo ficar em pé na sua frente e começou a punhetar o meu pau, até que começou a lambê-lo desde o saco até a pontinha do meu pau, fazendo com que ele pulasse em sua boca, ela chupava com gosto, vendo que eu não resistiria muito tempo a essa chupada ela deu uma olhada direto nos olhos em busca da minha reação, em quanto ela colocava o meu pau até o fundo da sua garganta, com isso eu fiquei louca para gozar na sua boca, o que com certeza seria inevitável devido o estado que eu estava de excitação. Minha cunhada fazia um movimento de vai e vem que me deixava louco e não demorou para que eu anunciasse que iria gozar em sua boquinha, ela imediatamente parou de chupar e com cara de cachorrinha aba
ndonada, disse que não, – NA MINHA BOCA NÃO, EU NÃO SOU PUTA. Eu a indaguei: – VOCÊ ESTA BRINCANDO COMIGO NÉ? EU NÃO ACREDITO QUE VOCÊ NUNCA FEZ UMA CHUPETINHA. – Sim, chupeta eu já fiz eu adoro fazer, mais engolir porra eu nunca fiz, que gosto que tem cunhado? – Eu não sei, nunca experimentar minha porra, mas acho que deve ser bom, a sua irmã gosta: – Ela gosta de porra? Ela toma sua porra? – Às vezes sim! – Ta, talvez depois eu experimento, se a minha irmã toma sua porra, eu também gostaria de pelo menos sentir o gosto para ver como é, mais você me provocou agora agüenta, só vou deixar você gozar depois que você me comer. Resolvi aproveitar a deixa já que minha cunhadinha estava decidida a por fim ao seu tesão, a coloquei de frango assado com as pernas em meus ombros e vi meu pau se entrar fácil naquela buceta, que estava ensopada, … deixando-me pirado, tava adorando foder minha cunhada, passei a bombar com bem rápido, o suou escorria, seus seios sacudindo, o barulhinho do melado da sua boceta, eu tirava a rola toda e enfiava tudo dentro dela de uma vez, sentindo ela contrair com força o meu pau. – Isso gostosa aproveita, foi assim que você sonhou? E dei um beijo de língua na minha cunhada, nisso meu pau saiu de sua buceta, ela na hora reclamou: Não tira esse cacete de mim, por favor! E eu recoloquei devagarzinho, fazendo-a implorar por rola: – Por favor, mais forte! E eu colocando e tirando o meu pau, de mansinho, para levala a loucura! Ela desesperada, remexia e rebolava como louca debaixo daquele cacete: – enfia tudo, forte, vem forte, me fode toda, me mostra o que você faz com a minha irmã! Vem, faz de mim sua puta, deixo você fazer o que quiser, mas me fode com forçaaaaaa! – Eu me ajoelhei na cama e a puxei com força pela cintura, colocando ela de quatro deixando ela bem arreganhada, e começei a estocar rápidas e com tanta força, naquela buceta toda molhada que faziam o barulho (FLOPT, FLOPT, FLOPT), socando cada vez mais fundo sem dó. – Come caralho, come sua cunhadinha puta come, você ta gostando de comer buceta? Eu a coloquei de ladinho e a segurei bem forte pela cintura e começei a socar com bastante força, fazendo sua minha rola entrar bem fundo na buceta dela e passei a xingala: – Toma caralho, vou deixar essa buceta arregaçada, e em um movimento rápido eu a coloquei de bruços, e fiquei socando com muita força, em quanto eu puxava o cabelo dela e dizia ao seu olvido: – Ta gostando? Agora eu vou comer o seu cuzinho!! Ela entrou em desespero e disse que não, que o cú ela não ia dar, eu fiquei socando e insistindo dizendo que ela iria gostar, que fui eu quem iniciou a irmã dela no sexo anal, ela falou que já sabia disso que sua irmã já tinha falado que dava o rabo pra mim, mas que ela tinha medo porque já tinha tentado dar para um ex-namorado mais estava doendo e ela vez ele parar, eu aproveitei e começei a tranqüilizala dizendo que comigo seria diferente pois eu já tinha tirado o cabaço de um cuzinho e que caso ela não gostasse era só falar que eu pararia, ela perguntou se eu não queria mais gozar na boca dela, eu disse que sim, que depois de comer o cuzinho dela eu daria todo o meu leite pra ela, mas ela vez cara de nojo e disse que não, que era para eu gozar na boca primeiro e depois comer o seu rabo, eu adorei a idéia e passei a bombar bem rápido para gozar o mais rápido possível. Eu gemia muito e estava exausto senti que iria gozar então me levantei rapidamente em quanto mandava minha cunhada se ajoelhar, e soquei minha rola naquela boca …aahhhhhhhh toma leitinho toma, Ela recebe toda a minha porra na boca e parecendo uma profissional engoliu até a última gota. Eu levantei a cabeça da minha cunhadinha tirando sua boquinha de meu pau e ela me olhou como que agradecida de poder ter me sugado; eu então perguntei: – Eai qual é o gosto, é doce ou salgado? Ela respondeu: – É quente e gosmento, mais o gosto você vai experimentar. E me puxou ao seu encontro me dando um longo beijo, passando sua língua pela minha boca, me fazendo sentir o gosto da minha própria porra. levei as mãos até as dobrinhas da bunda dela, e com firmeza passei a colocar o dedo entre as nádegas a procura de seu cuzinho, fazendo com que ela desse vários gemidos. Minha cunhada deu uma empinada na bunda, demonstrando o tesão que ela estava sentindo, e começou a pedir que eu fosse com calma, pois ela estava com medo, perguntei a ela se podia dar umas lambidas no seu rabo e ela disse que era para eu fazer o que quisesse, daí eu acariciei a sua bundinha, tocando na direção do cuzinho, o que fez com que ela se arrepiasse então, olhando aquele rabinho arrepiadinho, não resisti e beijei-o todinho, buscando com a língua seu cuzinho gostoso, quando o toquei, ela começou a rebolar na minha cara. Coloqueia na cama de quatro, já preparado para uma ocasião dessas, peguei o KY que usava com minha esposa e lubrifiquei seu cuzinho e fui colocando um dedo depois outro, e meu pau que neste momento estava duro como pedra, fiquei em cima dela encostando a cabeça de meu pau no cuzinho, ela colaborou abrindo as nádegas com as mãos, para facilitar minha investida, esfreguei meu pau no seu reguinho às vezes tocando no seu cuzinho, ela já gemia pedindo que eu metesse logo porque ela não agüentava mais de tesão, então ouvindo isso, coloquei a cabeça do meu pau na sua entradinha e fui forçando devagar, ela gemendo pedia que eu não metesse tudo de uma vez, eu querendo realmente saborear ao máximo aquele momento metia devagarzinho sentindo seu cuzinho pouco a pouco envolvendo o meu pau, quando a cabeça passou tive de me controlar muito para que não gozasse tão rápido, dei uma paradinha e fiquei sentindo cada vez que meu pau pulsava ela dava uma mordiscada nele com o seu cuzinho, sentindo que não agüentaria muito tempo eu segurei em seus ombros e usei mais força penetrando até a metade em seu cuzinho, ela parou de gritar e gemer, e só eu continuei penetrando. Ela me pedia para gozar logo, pois já não tava agüentando mais a dor, eu pedia para ela esperar e que já iria gozar, fique bombando forte no cuzinho dela e dando tapas em sua bunda, ela começou a gemer de dor! Fiquei com pena e tirei o pau do cu dela por uns instantes. e insisti para deixar só eu gozar e depois parávamos. Ela disse: – Filho da puta, não acredito que minha irmã faz isso pra você há tanto tempo, ela é uma puta mesmo. E voltou a ficar de quatro, abriu a bunda novamente para mim e pediu para eu gozar rápido. Foi então que eu, novamente, comecei a bombar forte aquela bundão. Quanto mais eu bombava forte naquele cu, mais ela fechava os olhos e pedindo para eu parar que ela já não tava agüentando mais… Enfim, com ela quase se deitando na cama, enchi aquele cuzão de porra – à medida que ela ia caindo eu fui gozando, deixando porra um pouco lá dentro e o restante sobre a bunda..e depois me levantei de cima dela, e vendo o “estrago” que havia feito naquele cuzinho, Nos beijamos e ela me perguntou quem metia melhor se ela ou sua irmã, não tive duvidas na resposta: – Sua irmã !! Ela mais experiente e safada, mais você tem futuro. – Cachorro você arromba meu cu, me faz beber porrra, e ainda fala que minha irmã é melhor, eu vou olhar voceis trepando para ver o que ela faz de tão especial, ela teve ser uma putona mesmo, vamos tomar banho e não esquece a promessa de jamais comentarmos sobre isso.

Cunhada carente foda muito quente

Quem nunca fantasiou comer a cunhadinha? Sempre tive desejo na minha e em um belo dia aconteceu o que achava impossível, enrabei a minha.

Delícia de cunhada

MINHA CUNHADA É UM TSUNAMI SOU CASADO HÁ 6 ANOS E AMO MINHA ESPOSA;ADORO SEXO E DE TRANSAR EM LUGARES PÚBLICOS E QUE ME TRANSMITA SENSAÇÃO DE MEDO;AS COISAS NAS NOSSAS VIDAS ACONTECEM MAIS OU MENOS DENTRO DA NORMALIDAD DE UM CASAL,PORÉM QUANDO MINHA CUNHADA VEM PASSAR O FIM DE SEMANA COM O NAMORADO EM MINHA CASA,SAÍMOS E ALÉM DE MUITA DIVERSÃO E BEBIDA,ACABAMOS TRANSANDO COM MAIS VONTADE;A VERDADE É QUE SABER QUE MINHA CUNHADA ESTÁ TRANSANDO NO QUARTO AO LADO ME DEIXA MUITO EXCITADO E MINHA ESPOSA NÃO CONFESSA,MAS ACABA MUITO EXCITADA TAMBÉM;PELA MINHA VONTADE,TRANSARÍAMOS TODOS JUNTOS,POIS SOU LOUCO PARA COMER A GOSTOSA DA MINHA CUNHADA,MAS ELES NÃO SÃO TÃO FAVORÁVEIS A ESSA PRÁTICA E ACHO QUE TEM MEDO DE SE ARREPENDEREM NO DIA SEGUINTE,MESMO SABENDO QUE NA HORA SERIA DELICIOSO;POR VÁRIAS VEZES VI MINHA CUNHADA COMPLETAMENTE NUA E NESSAS VEZES FIQUEI COM O PAU ENVERGADO DE TÃO DURO;NUMA DESSAS VEZES ELA ESTAVA DORMINDO E BÊBADA AO LADO DO SEU NAMORADO QUE TAMBÉM HAVIA BEBIDO E ESTAVA DORMINDO AO LADO DELA,FOI ENTÃO QUE ENTREI NO QUARTO QUE ELES ESTAVAM E ME ABAIXEI ATÉ BEM PERTINHO DAQUELA BUNDA MARAVILHOSA E COMECEI A MASSAGEAR LEVEMENTE SUA BUCETINHA QUE AINDA ESTAVA TODA GOZADA DA FODA QUE ELES TIVERAM NA MADRUGADA;NÃO DEMOREI PORQUE TIVE MEDO QUE ELA ACORDASSE E BRIGASSE COMIGO AO LADO DO NAMORADO DELA;NAQUELE DIA ME TOQUEI VÁRIAS VEZES SENTINDO O CHEIRO DAQUELA BUCETA CARNUDA E GOSTOSA;DURANTE O DIA ELES PERGUNTARAM SE EU TINHA VISTO MINHA CUNHADA NUA E EU SEM PENSAR DUAS VEZES DISSE QUE VI,MAS ACABEI A COBRINDO;O QUE NÃO DEIXA DE SER VERDADE,PORÉM NÃO DISSE QUE ANTES HAVIA TOCADO COM TODO TESÃO DO MUNDO NA XANINHA DELA;NO ÚLTIMO FIM DE SEMANA FUI DORMI NA CASA DE MINHA CUNHADA,POIS TERIA QUE SAIR CEDO PARA LEVAR MEU SOGRO NO MÉDICO E MINHA ESPOSA NÃO PODE IR,POIS TRABALHARIA NA SEGUNDA-FEIRA;CHEGUEI NA CASA POR VOLTA DAS 22 HORAS E ELA AINDA NÃO HAVIA CHEGADO DA FESTA QUE FOI COM O NAMORADO;MEU SOGRO E MINHA SOGRA FORAM DORMIR E EU FIQUEI ACORDADO NO COMPUTADOR;POR VOLTA DE 1 HORA DA MANHÃ,MINHA CUNHADA CHEGOU EM CASA MUITO BÊBADA E SOZINHA;O NAMORADO DELA TERIA QUE ACORDAR CEDO NO DIA SEGUINTE E A DEIXOU NO PORTÃO E FOI PRA CASA;MINHA CUNHADA É MUITO CARINHOSA COMIGO E DO JEITO QUE ESTAVA BÊBADA,ME DEU UM BEIJO E UM ABRAÇO COM MUITO MAIS CARINHO;NÃO PRETENDIA FAZER NADA COM ELA DEVIDO AO ESTADO QUE ELA SE ENCONTRAVA E MANDEI ELA TOMAR UM BANHO;OS PAIS DELA DORMIAM NO ÚLTIMO QUARTO E TINHAM O SONO MUITO PESADO,POR ISSO NEM TINHAM COMO OUVIR MINHA CUNHADA CONVERSANDO COMIGO EM VOZ ALTA;ELA TOMOU BANHO ENQUANTO EU CONTINUAVA NO COMPUTADOR E DE REPENTE ELA SAIU DO BANHEIRO E VEIO EM MINHA DIREÇÃO ENROLADA EM UMA TOALHA E SENTOU AO MEU LADO PERGUNTANDO O QUE EU TANTO FAZIA NO COMPUTADOR,QUE SE ME VISSE DANDO MOLE PARA OUTRA MULHER CONTARIA PARA SUA IRMÃ;FOI QUANDO EU DISSE QUE SÓ DAVA MOLE PARA ELA E ESTAVA CHEIO TE TESÃO POR ELA;ELA DISSE PARA EU PARAR DE KAÔ,FOI QUANDO COLOQUEI O MEU PAU MUITO DURO PARA FORA DO SHORT E DISSE PARA ELA QUE NÃO ERA KAÔ;NESSA HORA OS OLHOS DELA BRILHARAM E TENTOU FALAR AUGUMA COISA,MAS NÃO DEIXEI E ENFIEI ELE NAQUELA BOQUINHA LINDA QUE ELA TEM;ELA CHUPOU COMO UMA PUTA PROFISSIONAL,FUI A LOUCURA COM AQUELA CHUPADA QUE ELA ME DEU;ELA CHUPAVA,PASSAVA A LÍNGUA NOS LÁBIOS E RIA PRA MIM;NÃO ACREDITAVA NO QUE ESTAVA ACONTECENDO,ERA GOSTOSO DEMAIS;ELA SE DESENROLOU DA TOALHA E SENTOU GOSTOSO NO MEU PAU;AQUELA BUCETA QUENTE ME DEIXAVA LOUCO NO VAI E VEM QUE FAZIA;NÃO PUDIA FAZER BARULHO PARA NINGUÉM ACORDAR,MAS MINHA VONTADE ERA DE DAR NA CARA DAQUELA CACHORRA E PUXAR COM VONTAE OS CABELOS LONGOS DELA;DE REPENTE ELA SE LEVANTOU E ME PEGOUPELA MÃO ATÉ O BANHEIRO;COLOCOU UM PÉ NO VASO E ME PEDIU PARA FUDER SEU CUZINHO;DEI UMA ESTOCADA COM FORÇA PARA SENTIR DE UMA VEZ SÓ,NESSE MOMENTO ELA UIVOU FEITO UMA LOBA,AQUILO ME DEIXOU COM MAIS TESÃO AINDA E METIA COM VONTADE;ESTAVA QUASE GOZANDO NAQUELE CÚ DELICIOSO QUANDO ELA ME PEDIU PARA TIRAR E GOZAR NA BOQUINHA DELA;OBEDECI E JORREI MUITO LEITE NAQUELA BOCA SAFADA DA MINHA CUNHADA;TOMAMOS BANHO RÁPIDO PARA NINGUÉ ACORDAR E FOMOS DORMIR;NO DIA SEGUINTE ACORDEI E FUI LEVAR MEU SOGRO NO MÉDICO E A TARDE LIGUEI PARA ELA,QUE DISSE QUE SOMOS LOUCOS ,MAS QUE FOI BOM DEMAIS A SENSAÇÃO DE PERIGO E A ADRENALINA TODA QUE ROLOU;MARCAMOS DE IR A UM MOTEL NO MEIO DA SEMANA PARA UM SEXO MAIS CONVENCIONAL,POIS QUERO COMÊ-LA DE TODAS AS FORMAS,MAS NOSSO GRANDE FEITICHE AGORA É TRANSAR NA MINHA CASA,QUANDO MINHA ESPOSA E O NAMORADO DELA ESTIVEREM DORMINDO; QUANDO ROLAR,CONTO PARA VOCÊS;

Comendo a Minha Cunhada Novinha

Não vou divulgar nomes pois trata de um fato real, tenho 30 anos e estou com minha esposa a 12 anos, mas minha cunhada que hoje tem 21 anos sempre me chamou a atenção desde que completou seus 18 aninhos, “magrinha, seios pequenos ideais para serem devorados pela minha bocona, bumbum grande empinado, branquinha, uma delicia de cunhada! Algumas vezes já falei sobre sexo com ela, mas nada muito avançado.

Arrombando o cu da cunhada

Primeiramente, gostaria de agradecer a quantidade e-mail enviadas por leitores elogiando meus contos, fazendo perguntas ou até mesmo enviando fotos de suas aventuras (não publicarei os nomes aqui por respeitar o pedido de sigilo). Muito obrigado!

Cunhada Totalmente Insaciável

Frequentemente no momento em que vemos qualquer história de cunhadas elas são aproximadamente toda vez mais novas, safadas, cheias de más intenções e doidas por coito. Geralmente não se importando com o feito de sermos namorados/maridos de suas irmãs e várias vezes são até mais bonitas e interessantes. Claramente que isto se encaixa nos padrões importantes para se desenvolver uma ótima caso sobre o apresentação “cunhadas”, no qual o fetiche impera em absoluto por conta dessas qualidades. E não vou abalar desses aspectos, tirando o feito de que a minha ex-cunhada não era nenhuma ninfeta, e efetivamente uma mulher já divorciada, no entanto, abundância de atração pra permitir e vender.

Fazendo Sexo com o Meu Cunhado Safado

Olá pessoal eu sou a Marcela tenho 29 anos e sou casada. Eu sou uma morena clara, cabelos castanhos e lisos bem compridos quase chega até a minha bunda, olhos castanhas, e com uns seios durinhos com os bicos bem salientes que sempre chama atenção dos homens.

Cunhada na sala

Olá! Tenho uma cunhadinha que se chama Alice, tem 19 anos um corpinho bem sexy e uns peitos maravilhosos, outro dia minha esposa foi trabalhar à noite pois é enfermeira e a Alice disse que queria posar em casa para ajudar minha filha com as tarefas de escola, bem jantamos, ela ajudou minha filha com as tarefas e depois eu e minha filha subimos para o quarto dormir. A Alice ficou na sala assistindo TV! Depois de algumas horas minha filha já estava dormindo e me levantei para buscar um copo d’agua, não acendi as luzes pois não queria acorda-la, quando estava descendo as escadas ouvi uns gemidos que vinham da sala de TV, desci lentamente

Comi a prima da minha mulher

Esse acontecimento ocorreu em setembro deste ano de 2018. Me chamo Paulo, tenho 28 anos e sou casado com a Ana que tem 26 anos, somos casados há 3 anos, e contando o tempo de namoro, estamos juntos a 5 anos. Nossa vida sexual é ótima e a cada dia melhora mais ainda. Moramos no interior do Pernambuco.

Meu cunhado me comeu

Vou usar nomes fictícios para preservar a identidade dos envolvidos, afinal se trata de uma história real.

O massagista comeu a minha mulher

Eu e a minha esposa Cristina vínhamos amadurecendo a idéia de realizarmos uma fantasia sexual prá lá de ousada. Ela desejava muito realizar a tal fantasia e já havia me pedido algumas vezes, porém o maior empecilho era a minha falta de coragem. Certo dia, eu estava dirigindo o meu carro, quando vi uma pequena placa oferecendo massagens. Parei mais adiante numa banca e comprei um jornal. Nas colunas dos classificados, referentes a “Massagens e Acompanhantes”, encontrei um anúncio com os seguintes dizeres: “Massagens eróticas para mulheres, com algo mais”. Liguei imediatamente para saber como funcionava aquilo e o rapaz que me atendeu explicou que a massagem poderia ser no estabelecimento deles ou a domicílio, mas que eles só atendiam a mulheres. Expliquei que era para a minha esposa e perguntei o que queria dizer o “algo mais” do anúncio. O moço confirmou que era aquilo mesmo que eu estava pensando, porém que era opcional. Ele informou, ainda, quais eram os preços e as regras básicas: A massagem completa com tudo, durava cerca de uma hora; o preservativo era obrigatório e não poderia ter sexo oral. Detalhe: Incluindo o “gran finale”, o preço dobrava. Fiquei de ligar depois, mas antes fui contar para a minha mulher o que havia encontrado. Ela ficou animada e foi logo me perguntando se tinha um massagista negro. Eu disse que não sabia, mas que iria confirmar. Antes mesmo desta confirmação, a Cristina pulou em cima de mim e me encheu de beijos, em sinal de agradecimento. Parecia uma criança feliz que acabara de receber o presente que mais desejava. Depois de me agradecer daquela forma, ela me pediu para ligar o mais rápido possível e disse que me amava por estar fazendo aquilo. Foi aí que eu cometi um dos erros mais graves da minha vida. Liguei de volta e depois de certificar-me que eles tinham um massagista da cor negra, acertei tudo e marquei o dia e local do encontro. Eles me forneceram o número do celular do rapaz que iria fazer a massagem e eu entrei em contato com ele para lhe explicar quais eram as minhas regras e condições: Não poderia haver beijos nem sexo anal e eu ficaria ali no quarto, para assistir a tudo, sem participar. Para poder contar esta história com toda sinceridade é necessário que, antes, eu faça uma confissão: A verdade era que eu tinha medo das consequências, mas no fundo desejava ver a Cris chupando a rola de um negão e sendo apalpada e comida por ele diante dos meus olhos. Se não fosse por isto eu jamais teria providenciado para que aquilo acontecesse. Hospedamos-nos em um hotel na praia de Piedade, em Jaboatão-PE, apenas com o intuito de realizarmos esta fantasia. No momento em que o cara chegou e foi anunciado pelo serviço de recepção do hotel, o meu coração acelerou e parecia querer sair pela boca. Aquela fantasia louca e pervertida já estava acontecendo e agora não tinha mais volta. A Cristina correu para o banheiro e pediu que eu o recebesse. Com pouco tempo ele bateu na porta do nosso quarto e eu o recepcionei. Era um negrão legítimo, todo sarado, um verdadeiro profissional do sexo. Apertei a sua mão e o convidei para entrar, dizendo que a Cris estava se aprontando. A minha mulher logo apareceu, enrolada em uma toalha branca, e também cumprimentou o negão. Ela parecia afoita e não demonstrava nenhum medo. O moço veio preparado com alguns apetrechos, dentre eles, um aparelho de som e uns óleos aromáticos. Ele pediu para diminuir a luz do quarto, pôs uma música apropriada, tirou a sua roupa e ficou vestido só com uma cueca branca de malha bem justa e colada ao corpo. Dava para ver o contorno da sua vara na cueca, porque ele a colocou de lado – meio que para cima – possivelmente para impressionar. Aquilo me deixou assustado, enquanto que a minha mulher ficou animada e os seus olhos brilharam. A Cristina se deitou na beirada na cama e o massagista desamarrou a toalha, sem tirá-la por completo. Ele fez uma dobra e a deixou estendida sobre ela, cobrindo-lhe apenas o bumbum. Começou então uma suave massagem pela nuca e ombros, descendo pelas costas. De vez em quando os seus dedos ultrapassavam a toalha, por baixo, mas logo voltavam para as costas. Em seguida ele passou a massagear os pés e depois as partes posteriores das pernas e coxas. Depois de algum suspense ele consultou se poderia tirar a toalha e, quando ela consentiu, ganhou o seguinte elogio: – Eu gosto de ver assim: desinibida! Com a sua permissão, ele retirou a toalha dobrada que cobria o bumbum e a deixou inteiramente nua, enquanto que ela apenas olhou para mim e sorriu. Eu assistia a tudo de pau duro e quando o negão começou a massagear a bunda da minha mulher, eu fui ao delírio junto com ela. A mão deslizava no seu traseiro e subia pelas costas, voltando em seguida para o bumbum. Aos poucos, a massagem ia ficando mais ousada e ele enfiava a mão no rego, descendo por entre as pernas. Quando a massagem foi ganhando ares de erótica, a safadinha começou a gemer. Ela empinava a bunda para que ele deslizasse a sua mão por baixo e parecia que iria enlouquecer de prazer. Nesta hora, a Cristina esticou o braço e acariciou a pica do negão por sobre a cueca, que, em função disto, começou a aumentar de volume. Depois de um tempo nesta esfregação, ele autorizou: – Pode enfiar sua mão, se quiser! Ela quis! Enfiou a mão dentro da cueca e segurou o mastro do negão, ainda sem tirá-lo para fora. Neste momento, ela olhou novamente para mim e tornou a sorrir. Por mais de uma vez, a Cristina não se conteve e tornou a pegar na rola do massagista, ora com a mão enfiada, ora por sob a cueca, enquanto que ele recebia a carícia, mas não parava de massageá-la. Quando chegou a hora de virar-se, ela finalmente largou a pica do moço e ficou de frente. Começou tudo de novo: Uma leve massagem no couro cabeludo e depois no rosto, nos ombros, nos seios, nas coxas até chegar lá: Na buceta! De novo, a massagem se transformou em uma verdadeira masturbação e ela mais uma vez não segurou os gemidos. A minha esposa estava totalmente entregue e pronta para o “algo mais”. O negão finalmente baixou a cueca e a coisa preta saltou para fora. Completamente nu, ele subiu na cama – ficando de quatro por cima da Cris – e passou a massageá-la com o seu próprio pau, como se fora um de seus apetrechos de massagem, esfregando-o em todo o seu corpo, inclusive sobre o rosto, olhos e ao redor da sua boca aberta e gulosa. De repente ele desceu da cama, foi até sua mochila e pegou uma camisinha. Em seguida, deu o preservativo para a Cris e pediu para que ela mesma o colocasse. Minha mulher, que devia estar com água na boca depois daquela provocação, perguntou: – Posso chupar sua rola? – Pelas nossas regras não pode! Mas, se for com a camisinha… Ela, então, vestiu o cacete com todo cuidado e, ato contínuo, fez um boquete com camisinha e tudo, olhando para mim com uma tremenda cara de safada. Aquele foi, para mim, o momento mais excitante daquela noite. Os meus sonhos eróticos estavam se realizando bem ali na minha frente e, por incrível que possa parecer, eu quase tive um orgasmo só de ver a minha mulher lambendo e chupando a rola de um negão. A coisa era tão imensa que ela realmente tinha dificuldade para abocanhar parte dela e, quando o fazia, a sua boca chegava a ficar deformada e as bochechas estufadas, tal era o esforço para engolir aquela piroca gigante. Assim que terminou o boquete, o cara perguntou: – E agora, como vai querer? A resposta dela não poderia ser mais assanhada: – Vou querer de todo jeito! Ele sorriu, ficou em pé ao lado da cama e a puxou contra si. Depois, olhou para mim e disse: – Vou fuder a sua esposa agora! Quer ver de perto? Àquela altura dos acontecimentos, eu achava que ele nem se lembrasse mais de mim, que assistia a tudo em silêncio. Fiz um sinal de “não” com o dedo e ele prosseguiu. A Cristina estava deitada na beira da cama, com as pernas dobradas para o alto e os pés apoiados no tórax do negão. Daí ele a segurou pelo quadril e empurrou a pi
ca bem devagarzinho na sua xana. No início seus movimentos eram bem lentos, mas depois a velocidade das suas socadas foi aumentando progressivamente. Enquanto metia a pica gigante na buceta da minha esposa, o negão a chamava aos gritos de gostosa. Ela, por sua vez, gemia alto e se contorcia de prazer. A sua respiração estava bastante ofegante e parecia que a Cris estava tendo uma convulsão. Fiquei assustado! Naquele momento eu assisti, pela primeira vez, a minha mulher sendo comida por outro homem. Após algum tempo nesta posição, o cara pediu para a Cristina ficar de quatro e ela prontamente obedeceu. Nesta ocasião, eu tive a impressão de que ele iria enrabá-la e me levantei de repente para conferir se era realmente isto que estava para acontecer. (Tínhamos combinado previamente de que não haveria sexo anal) Não era! Ele estava metendo novamente na buceta, só que por trás. Fiquei aliviado e como já tinha me aproximado, permaneci por ali para ver mais de perto. Já com o cacete dentro da Cristina, o cara comentou: – Eu sabia que você queria ver a sua mulher dando pro negão! Naquele momento eu me senti a própria personificação do corno. Recuei devagar e voltei a sentar-me na poltrona. A minha mente doentia queria sentir prazer naquilo, mas a consciência me acusava: “O que você está fazendo? É a sua mulher, mãe do seu filho, comportando-se como uma verdadeira puta e com a sua permissão”. Não tive coragem de interromper, principalmente por causa da Cristina, e fiquei assistindo passivo o cara meter com vontade na minha mulher, que gemia e pedia: – Mais, mais, mais…! Sinceramente não sei como a Cristina suportava aquela vara entrando dentro dela. Era um cacete igual àqueles que se vê em filmes pornôs, com atores superdotados. Se fosse comparar, o meu pau parecia uma miniatura diante daquela pica gigante e preta como um tição. Mas voltando à transa da minha mulher, depois da posição de quatro, o massagista deitou-se na cama e deixou que a Cristina “cavalgasse” em seu pau até ficar saciada. Por incrível que possa parecer, ela saiu exaurida de cima dele, mas o negão permaneceu com o membro duro, do mesmo jeito que tinha começado. Em seguida, ele finalizou por cima dela, na posição tradicional. Da poltrona onde eu estava, só me restava ver as pernas abertas da Cris e a bunda do negão, por sobre ela, fazendo o movimento repetido de sobe e desce, enquanto ele socava vigorosamente a sua rola na minha mulher até que gozassem simultaneamente, como deve ser uma boa transa. Estava concluído: A minha esposa fora comida por um profissional do sexo, pago por mim. Discretamente o acompanhei à porta e lhe paguei pelo “serviço” (Ele ainda me pediu uma gratificação extra por ter passado de uma hora). Depois, fui até a cama, onde a Cristina ainda permanecia, nos abraçamos e ficamos deitados em silêncio por um longo tempo. É lógico que a história não termina por aqui! Este conto real é apenas um pequeno trecho do livro “Prazeres Insanos” que aborda os seguintes temas: Nudismo, exibicionismo, tamanho do pênis, fantasias sexuais, erotismo, ménage, sexo compulsivo e traição. O livro, escrito na primeira pessoa, narra o drama de um jovem inseguro que vivia atormentado devido ao pequeno tamanho do seu pinto. Contrariando a sua índole, ele namora uma moça extremamente liberal, porém acaba se casando com a irmã dela que era tão conservadora quanto ele. Com o tempo, ele vai descobrindo que, estranhamente, sente um enorme prazer em exibir a sua esposa para outros homens. Desta forma, tenta, de todos os modos, induzi-la a adotar o mesmo comportamento desinibido e sensual da sua cunhada e ex-namorada, que passa a ter uma participação ativa no desenrolar da história. Aos poucos, a sua esposa vai cedendo aos seus desejos e começa a usar biquínis minúsculos e roupas provocantes. O exibicionismo se transforma em vício e obsessão e os dois enfrentam seus medos e traumas e passam a frequentar a praia de nudismo de Tambaba, onde vivem aventuras incríveis. Não satisfeito com o simples exibicionismo, o casal se aventura em fantasias sexuais cada vez mais ousadas e, na busca pelo prazer desmedido, perde o controle da situação, pondo em risco um casamento estável e feliz. O livro foi publicado recentemente no site clube de autores e custa R$ 7,84 (ebook pdf) e R$ 38,36 (impresso). Veja no link: https://clubedeautores.com.br/book/139921–Prazeres_Insanos Se você preferir, poderá entrar no site http://clubedeautores.com.br/ e digitar a palavra “tambaba” no campo de pesquisa da livraria (destinado ao título ou autor) A minha intenção não é ganhar dinheiro, porém eu fico feliz sempre que alguém lê o meu livro e faz algum comentário ou crítica. Como não faço propaganda convencional e também não posso divulgar para meus amigos nas redes sociais (devido ao teor das revelações), bolei a seguinte estratégia de divulgação: 1 – Se você divulgar este livro para no mínimo 20 (vinte) e-mails de pessoas conhecidas suas, com cópia para mim, ou postar na rede social ou em algum site/blog e me comprovar, eu lhe enviarei uma versão ebook grátis. (vale para qualquer pessoa que fizer uma destas ações) 2 – Se você ler o livro e responder as seguintes perguntas (apenas como forma de comprovar que realmente leu), eu lhe enviarei 10 (dez) fotos nossas, algumas delas tiradas em Tambaba: a) Como a Dona Bastinha denominava o sexo oral? b) Qual o nome (ou apelido) da minha cunhada? c) O que aconteceu entre a Cristina e o Marcelo, enquanto eu dormia? d) Qual era o maior fetiche da minha mulher? d) O que você achou do livro? Um grande abraço, Alberto ([email protected])