contosincesto

Me masturbei pensando nele

Estava eu em casa num dia frio assistindo tv e mexendo no celular Quando passei pelo perfil do face dele quando me bateu um desejo me lembrando de cada detalhe vivido com ele na hora do sexo

Advogada sadomasoquista

Advogada Sadomasoquista Me chamo Isabella, tenho vinte e oito anos, sou loira de olhos castanhos claros, possuo um corpinho muito bem malhado e sou casada. Achei super interessante os contos eróticos relatados neste maravilhoso site. Há alguns meses escrevi algumas das minhas melhores aventuras para uma revista pornô, e venho recebendo cartas de elogios daquela revista até hoje. Decidi então contar um relato para este site, espero que gostem. O meu marido o Roberto, desde que nos casamos, nunca me satisfez na cama. Ele se esforça muito para conseguir gozar, as vezes tenho que ficar durante quatro horas direto com ele na cama, buscando as posições mais diversas na tentativa de ver um pingo de esperma sair daquele pau pequeno. Acreditem é uma coisa terrível. Mas felizmente o que me prende a ele é a generosidade, o respeito, o carinho, a ingenuidade e é claro a sua “grande fortuna”. Em prol deste fator, a anos que dou umas escapadas com algumas amigas e as vezes sozinha, buscando o sexo perfeito com diversos tipos de homens que encontro. E ele nunca soube de nada Vou lhes contar minha ultima transa. Trabalho numa defensoria pública, apesar do meu marido querer me extinguir de trabalhar, mas é obvio que nunca aceitaria, morreria de tédio dentro daquela casa sem ter o que fazer. Todas as sextas-feiras saio com meus amigos para dar umas bebidinhas e dançar em boates. Já fiz sexo com todos eles é claro, são seis no total e todos casados, transo com um, dois e as vezes com todos ao mesmo tempo e acreditem que até já enjoei dos mesmos. Na ultima Sexta, saímos todos para um barzinho de esquina e bebemos muita cerveja, eu sempre pago a conta, quem convida é quem paga esse é o meu dilema . Era um bar pobrezinho com duas mesas de sinuca, o tipo de bar que só tem velhos cachaceiros. Eram duas da madrugada, estavam todos como de costume um pouco bêbados. Todos estavam sentados conversando abóbrinhas, eu hora sentava no colo de um e de outro, beijando um e beijando outro e deixando que me passassem a mão nas coxas e seios. Não me considero uma puta, apenas amo demais o sexo. Percebi em certo momento, que havia dois homens de mais ou menos trinta anos sentados no balcão do bar bebendo cachaça e fumando cigarros. Pareciam dois jagunços, eram fortes e trajavam roupas velhas e rasgadas. Percebi que eles olhavam tudo que estava acontecendo em nossa mesa e aquilo me excitou muito. Resolvi então ir até eles. Cheguei no meio dos dois bem de pertinho e pedi um cigarro. Um deles então retirou o cigarro do bolso e estendeu a mão para me dar. Quando olhei para aquela mão grossa, calejada de muito trabalho e as unhas pretas fiquei ainda mais excitada. Pedi então que colocasse o cigarro na minha boca e acendesse, o homem obedeceu sem falar nada. O outro me encarava me comendo com os olhos. O que acendeu o cigarro olhou para mim e falou com uma voz grossa, “quer mais alguma coisa”, e respondi: “quero vocês dois dentro do meu carro agora.” Na mesma hora levantaram e pediram a conta. Peguei a bolsa na mesa onde estavam os rapazes, não falei nada com ninguém e paguei a conta dos dois homens e dos rapazes. Me abracei com aqueles jagunços e fui em direção ao carro. Abri a porta para eles, olhei para os rapazes dei um beijo na boca de um dos homens sentindo o bafo enorme de cachaça, e dei um tchauzinho para os rapazes. Todos me olharam com cara de palhaços sem entender nada. Ao entrar no carro me virei para o homem que estava do meu lado e perguntei para onde queriam ir trepar comigo o resto da noite. Responderam em qualquer lugar. Fui até a um motel barato mais próximo e estacionei. Ao chegar na portaria havia me esquecido que não poderia entrar com três pessoas num mesmo quarto, então paguei dois quartos e subimos os três juntos. Ao chegarmos no quarto havia uma cama imunda com um lençol embolado e baratas passando no chão. Em primeiras condições fiquei com um certo nojo mais se havia chegado até ali deveria ir em frente. Telefonei a portaria e pedi que me trouxessem duas garrafas de um whisky qualquer, para ter mais coragem. E enquanto esperávamos, tirei toda a minha roupa e chamei os dois para o banheiro junto comigo. Havia somente uma banheira pequena para uma pessoa, mas pelo menos a água era quente. Então fui até eles e comecei a desabotoar as camisas com todo cuidado, como se ali estivessem dois homens luxuosos. Eles fediam muito a suor, aquilo foi me deixando em brasas. Retirei a calca de um deles e fui surpreendida com uma ferramenta enorme, devia ter uns 23cm. Na mesma hora encostei meu nariz naquela coisa fenomenal e respirei fundo, para sentir aquele cheiro másculo. Naquele momento estava completamente molhada. Comecei a chupar o pênis daquele homem como se fosse o último do mundo. Olhei então para o outro, e percebi que já havia retirado toda a roupa. Aquele também não ficava para trás, não era grande mas era bastante grosso. Os dois homens eram extremamente feios, mas o que me interessava no momento não era a beleza e sim sentir aqueles jagunços me estuprarem com todas as suas forças. Tomamos um banho rápido, onde fiz uma breve chupeta para os dois, sem fazê-los gozar, afinal eu queria me divertir a noite toda. Fomos para cama e as bebidas já haviam chegado, o dois homens abriram-na com rapidez e beberam no gargalo como se fosse água. Percebi que um deles havia colocado uma arma em cima de uma mesa. Aquilo me deixou um pouco assustada, pois nunca gostei de armas. O outro pegou sua calça e retirou um saquinho de cocaína de dentro. Derramou-o na mesa e perguntou se eu queria, respondi que não e que a única coisa que queria era sexo. nunca gostei de drogas, apenas bebo muito. O dois cheiraram uma enorme quantidade daquele pó e vieram em minha direção. Eu estava deitada com as pernas cruzadas, um pouco receosa com que havia presenciado. Resolvi não me preocupar muito e derramei a metade do whisky que estava na garrafa, os dois começaram a rir. Então fui em direção a eles e disse: “pegue o seu cinto e me bata”, ele respondeu que era exatamente o que iria fazer. Pronto… a excitação havia chegado no auge. Disse a eles que seria sua escrava durante toda a noite. Me pus de joelhos, fui engatinhando até os pés dos dois beijei e passei a língua. Eles pareciam não acreditar no que haviam presenciado. Uma mulher daquele porte se sujeitar daquela maneira. Daí um deles me pegou pelos cabelos e disse: “Você quer ser nossa escrava sua piranha, então vai desejar nunca ter nos conhecido.” Não liguei para o que ele disse na hora e comecei a rir. Me jogaram em cima da cama e me puseram de quatro. Comecei a gritar pedindo que me surrassem. Os dois pegaram seus cintos grandes de coro velho e dobraram na mão. Beijaram minha bundinha que estava toda arrebitada e branquinha até aquele momento, e disseram: “Quero ver você chorar sua égua.” E os dois de uma só vez me deram a primeira chibatada. Soltei um enorme grito, e fui jogada para fora da cama com a dor, escorreram lágrimas instintivamente naquele momento. Em seguida amarraram um pano sujo na minha boca. Me puseram deitada de costas sobre a cama. então começaram a dar fortes estocadas sobre minhas nádegas e costas. Eu gemia e chorava de dor, sempre gostei de apanhar, mas aqueles homens eram fortes demais e eu não havia medido as conseqüências. Foram muitas chibatadas, eles riam e me batiam com mais força. Depois de uns seis minutos de seguidas chibatadas eles pararam, já não tinha por onde sair lágrimas de mim. Minhas costas estavam dormentes, e não sentia minhas nádegas. Retiraram o pano da minha boca. E se deitaram na cama um de cada lado, eles haviam ficado suados por causa das chibatadas. Eu não sabia se sentia prazer ou se chorava, estava fora de sí. Começaram a morder os meus seios com força e enfiar os dedos com violência na minha vagina. Disse a eles para ir com mais calma dessa vez. Levei um enorme tapa na cara por ter falado aquilo. Um deles me colocou por cima e enfiou aquela pica enorme de uma vez só em minha vagina, soltei um gritinho de dor
e fui me acostumando. O outro veio por trás cuspiu no cú e foi metendo com violência, o que estava embaixo puxou minha cabeça e me deu um beijo para que não gritasse. Quando dei por mim, estava sentindo o saco encostando na borda do meu cú. Sentia uma dor acompanhada de um prazer incrível, ser enrabada por dois homens enormes de uma só vez. Os dois gemiam como cavalos, com seus bafos quentes no meu pescoço, dando estocadas firmes e fortes sobre mim. Estava louca de prazer. Ficaram naquela posição durante quase uma hora, quis mudar de posição mas eles não deixaram. Por fim o que estava me enrabando por trás saiu, e disse que ia gozar, o que estava embaixo me tirou de cima dele. Senti um vazio dentro de mim naquele momento, olhei pra minha vagina e havia um pouco de sangue escorrendo, meu cú estava dormente e totalmente aberto. O homem que ia gozar puxou minha cabeça com violência sobre seu pau e disse que ia ter de engolir tudo se não iria apanhar, abocanhei aquele grosso cacete enquanto o homem empurrava minha cabeça pra trás e pra frente. Engoli uma quantidade enorme de esperma que jorrou como cachoeira em minha garganta. Lambi os beiços e fui em direção ao pau do outro. Ele olhou para mim e disse que queria me foder mais, respondi que não agüentava. Levei outro tapa na cara. Me colocou de quatro e enfiou seu enorme cacete no meu cú. Aquela pica era maior que a outra, senti uma dor horripilante ao ser penetrada de uma só vez. Encostei a cabeça na cama e fiquei com a bunda empinada para cima para facilitar. Passaram-se cinco minutos de fortes estocadas, foram os melhores momentos daquela noite, ser enrabada com firmeza por aquele homem, eu gemia todo o tempo agradecendo aquela enorme pica. Quando por fim senti aquele liquido quente entrar pelo meu cú. Então retirou sua pica me deu um tapinha na bunda e me chamou de gostosa. Dei uma chupadinha em sua pica aproveitando um restinho de esperma daquela coisa maravilhosa. Deitei na cama quase morta sentindo o liquido vazar pela minha bunda e pedi a eles que se deitassem do meu lado e dormir comigo o resto da noite. E por fim eles começaram a se vestir, perguntei para onde eles iriam. Me disseram que tinham que voltar para casa e dormir com suas esposas, e não podiam mais perder tempo com uma puta como eu. Levantei da cama fui ao encontro deles, peguei duas notas de cinqüenta reais, coloquei dentro da cueca de cada um e falei: “quando quiserem me foder de novo e só me ligar, aqui esta meu telefone, pago mais da próxima vez. Me apaixonei pelos seus cacetes”. Dei um beijo longo na boca de cada um e pedi que me comessem mais um pouquinho. Eles agradeceram e me disseram que da próxima vez iria ser melhor. Paguei a conta e fomos embora, disse que iria levá-los até em casa. Me disseram que a casa deles era muito longe, eu respondi que não me incomodava. Pedi a um deles, (o da pica menor) que fosse dirigindo, para que eu fosse com o outro no banco de trás do carro. Queria aproveitar até o ultimo momento junto daquela pica. Entramos no carro e começei a alizar o pau dele por cima da calça, dando lhe uma beijo na boca. Ele me chamava de linda e de gostosa. Perguntei se queria parar em qualquer bar para beber mais um pouco e ele respondeu que não. Falei que iria sentir muita falta da pica dele, pois nunca tinha visto uma igual, e disse que a mulher dele tinha sido premiada. Abri o zíper da calça e iniciei uma chupeta com todo o carinho e amor. Quando ele gozou engoli até a última gota daquele liquido sagrado. E por fim chegamos no local onde moravam, era um vilarejo bem pobre. Fui em direção ao amigo dele dei um beijo no rosto e o perguntei se queria mais um boquete para terminar a noite. Ele disse que já estava tarde e tinha que ir embora. Me despedi dos dois e pedi implorando para que não me esquecessem. Os dois foram embora sorridente e eu fui realizada. Cheguei em casa eram mais de quatro da manha e me deparei com meu marido coitado roncando feito uma mula na cama. deitei do lado dele sem tomar banho, queria ficar impregnada com o cheiro daqueles jagunços até amanhecer o dia. Me abracei com meu marido levantei sua cueca e pus a mão naquela coisinha, imaginando estar com o jagunço do meu lado. E minha vida é assim…

Matando a curiosidade

Namorava uma garota desde os 16 anos, hoje tenho 24, porém sempre fui curioso no assunto sexo gay, sempre via vídeos, fotos e sempre me deram tesão, porém nunca passou disso. Até que a uns 5 meses atrás era festa na firma, cuido da parte financeira de uma construtora; Então como era festa na firma e todos estavam bebendo e se divertindo e tals, até que chegou o filho do dono da construtora, todo metido a playboy, mala; então já estava cansado da festa e vi que o filho do dono tava de saída também e então estava conversando com seu pai e falei que ia embora e o mesmo mandou seu filho me dar uma carona, pois moramos bem próximo.

A Rainha do Boquete

Olá, vim hoje não apenas contar um conto, mas compartilha com todos minha história de vida, sem muita cerimônia, contar como me tornei a Rainha do Boquete, como meu marido me chama. Me chamo Clara (nome mudado para manter a privacidade), tenho 29 anos, um pouco baixinha 1,56m, 50 kg, cabelo ondulado, bumbum pequeno, e seios lindos e grandes, empinados e com os mamilos pretos que contrastam com minha pele morena clara, chamam atenção de qualquer homem e todos adoram porque ainda tenho leite do meu filho de três anos que ainda mama, ah se meu bebê soubesse do tanto de homem que também mama nos seios da mãe dele (risos).

Fodendo com o vizinho casado

Já faz tempo que venho ensaiando de publicar minhas histórias aqui, e pra começar vou contar o que me aconteceu esse fim de semana, sou mestiça, tenho vinte e pouquinhos anos, mas parece que tenho bem menos, quem é meu amigo aqui já viu minhas fotos, não sou lá essas coisas, sou morena, 1,64 de altura, 60kgs, seios médios e bumbum redondinho, não sou como as gostosas dos contos que leio.

Transa deliciosamente na mesa de bilhar

Vou narrar esse delicioso conto erótico que ocorreu comigo, era o ultimo dia de carnaval estava no clube quando vi um rapaz muito bonito e comecei a fixar o olhar nele era malhado e tinha um torax maravilhoso . neste dia estava com uma minisaia curtinha marcando bem minha bunda e com um top com os seios bem aparentes e dancava muito pra chamar atencao dele ate que no final da noite ele me chamou para ir ate a casa dele tomar um banho de piscina ja que o calor era insuportavel. no caminho ele comecou a me beijar e passar as maos entre minhas coxas quando viu que eu estava sem calcinha ficou louco. comecou a passar a mao nela e ela latejava de tesao e foi ficando bem molhada.ele queria ali mesmo

Massagem Excitante

O relato que compartilho com vocês aconteceu com minha esposa, Negra, 1,80m, agora com 41 anos, uma negra de tirar o chapéu, pernas torneadas, cabelo abaixo dos ombros, e uma bunda linda redondinha…

Trabalho e prazer

Vou contar a historia de como perdi minha virgindade com meh chefe haha.

A puta casada

Meu nome é Leonardo e quero falar sobte uma garota que conheci. Nina era uma delícia. Eu a conheci no ensino médio, a escola toda reparou na aluna nova, uma morena linda que tinha uma bunda que até os professores babavam. Ela se mudou com a mãe que trabalhava a noite e deixava a filha soltinha. Nina era bem safada e adorava provocar. Apesar do tesão que sentia por ela, fiquei na minha pq tinha namorada. Como puta safada que era ela veio atrás de mim e não resisti: comia putinha de noite e ficava de beijinhos com a namorada oficial de dia. Até que Nina em uma briga jogou na cara da esnobe da minha namorada a verdade. Perdi a namorada mas não briguei com a Nina: ia perder a chance de foder aquela buceta gostosa? Como um “prêmio” ela me deixou comer o cu dela…Foi maravilhoso. Ganhei uma transa constante durante anos.

Conto Gay – Minha primeira transa no banheiro

Eu estava completamente entediado de ter que sair com a minha mãe e minha irmã para fazer compras no shopping, ja era a quarta vez esse mês tudo por conta de um casamento de uma antiga amiga de escola da minha mãe.

O meu sonho de virgem

Lembro como se fosse ontem

A primeira vez da minha esposa em uma suruba

Olá vou usar o nome de Carlos caso alguém queira me contatar, bom eu e minha esposa a Suellen, nos casamos a 7 meses, tenho 24 anos e ela ainda 19, bom sempre tivemos uma vida sexual muito boa e com o tempo fomos incrementando, já faziamos de tudo na cama, um dia contando sobre nossas fantasias ela me comentou que adoraria fazer sexo com outro homem porém eu teria que estar junto e essa ideia me exitou, bom começamos a assistir alguns videos pornos e tudo mais, e essa ideia foi amadurecendo, ela é loira tem um 1,66 de altura e pesa 65 kg realmente tem um corpo muito bonito, começou a fazer academia a algum tempo e está ficando bem definida. Eu tenho 1,81 de altura e tenho 80 kg tenho um corpo bem definido também. Fomos a uma festa para colocar nosso plano em prática, disse a ela que colocasse um vestido bem justo e curto e que não precisaria usar sutiã, observei que ela chamou muito a atenção, como somos novos na cidade não conheçemos ningém então estavamos despreocupados, ela começou a dançar comigo de uma forma bem sensual e algumas vezes vulgar, começou a chamar muito a atenção, ela foi buscar um bebida para nós e eu fiquei olhando que devido a estar apertado sempre que alguém tinha a oportunidade alguém passava a mão nela, ela também estava se oferendo, ao voltar fomos sentar proximo ao bar, nisso conhecemos algumas pessoas e fomos convidados a sentar na mesa deles, lá tinha duas mulheres e mais 5 homens, bebida vai bebida vem e um dos rapazes nos convidam para ir a casa deles, chegando lá a outra mulher saiu com dois rapazer para ir ” buscar cerveja” nisso ficamos eu ela e mais tres rapazes, todos de boa aparecencia dois brancos e um negro, nisso ela começou a se mostrar mais e devido a seu vestido ser curtisimo todos adoraram, então começei a beija la aos poucos, e a acariciar suas pernas, então fomos diretos ao ponto e vimos que todos esperavam logo por aquilo, então neste momento todos tiraram os paus para fora, então ela começou a chupar todos, nisso eu a coloquei de quatro como ela queria e começei a fode-la enquanto ela chupava outro, então começamos a revezar nisso fizemos a primeira dupla penetraçao, ela adorou ficamos um bom tempo metendo, depois de tudo nos vestimos e fomos embora mais foi uma primeira experiencia fantastica esperamos fazer novamente te +

Minha tia chegou bêbada e transou comigo

Olá, me chamo Flávio, hoje tenho 29 anos e vou contar como comi minha tia pela primeira vez.

Ajudando a melhor amiga a ter um orgasmo

Esses dias estava a lembrar de algumas aventuras sexuais que tive nos tempos de colégio. Infelizmente, comecei no mundo do sexo muito cedo, diversos arrependimentos, algumas consequências e muita história pra contar.

Aprendendo a ser uma Submissa

Meu nome é Ana, 37 anos, sou casada. Estou escrevendo pela primeira vez.

Sexo na Madrugada

Opa, como esse é meu primeiro conto aqui, irei me apresentar, tenho 28 anos, sou moreno, 1,75 de altura, cabelo pretos, olhos castanhos escuro, magro, meio definido. O que vou contar aconteceu nessa madrugada de 12/11/18, tem uma amiga, daquelas muito boa, que nos damos muito bem, e há alguns meses nós demos um passo a mais e começamos a ficar, antes mais esporádico e hoje até com mais frequência, ela era amiga da minha ex-namorada, então já imaginem o que isso causou rsrs, bem ela tem 18 anos, quase 1,60 de altura, magrinha, uma cintura bem fininha, uma bunda que me deixa doido, com um cabelo grandão que é para matar qualquer um.

Sobre os dias que perdi o juízo

Fiz uma viagem à trabalho onde fiquei cinco dias. Não conhecia ninguém na Cidade, mesmo assim estava animada, pois estava conhecendo outra cultura. Fui exatamente pensando em trabalhar e nas horas de folga conhecer pontos turísticos. Primeiro dia sai para conhecer alguns lugares, despretensiosa e feliz. Segundo dia fui turistar novamente no período da manhã, pois meu trabalho era de somente três dias. Após almoço voltei ao hotel onde a solidão tomava conta, e a cabeça ficou a mil e o corpo já começava a pedir sexo, pois sou uma mulher muito ativa.

Sendo corno e gostando

Cheguei em casa três dias antes do previsto, não tinha conseguido o negócio previsto e decidi voltar antes. Chegando em casa tudo estava escuro. Entrei em silêncio, vi roupas pelo chão. Estranhei. Fui até os quartos e pela fresta da porta de meu quarto vi minha esposa Rosa de quatro chupando um cara desconhecido de mim. O quarto estava um pouco escuro, com somente uma luz pequena do armário, mas dava pra ver o pau dele comprido e fino, um rapaz branco, bonito e de uns 1,80 m. Sempre desejei que ela desse pra outro, tanto que meu pau estava duríssimo. Ela chupava com vontade e ele logo gozou em sua boca, ela engoliu tudinho. Minha surpresa foi maior quando aparece em meu campo de visão um outro

Minha trans favorita

Eu nunca tinha saído com uma garota trans, o nome dela é Rafaela. Baixinha morena dos cabelos curtos até os ombros, um sorriso lindo, peitinhos pequenos e uma bunda redondinha.

Comi duas balconistas na loja

O que vou relatar agora, nunca imaginei que pudesse acontecer um dia, sou casado, bem casado, tenho 32 anos, 1,7 metros e bem fisicamente, toda fantasia de um homem é transar com duas mulheres, e isso para mim seria difícil já que minha esposa é conservadora, mas aconteceu comigo… um dia fui as compras com minha esposa e passei numa loja para comprar calça e haviam duas mulheres maravilhosas, de mesma estatura, corpos quase idênticos, uma loura deliciosa e a outra uma morena linda, com uma barriguinha, mas com um rabo magnífico, sem que minha mulher percebesse as duas começaram a me olhar com mais vontade e a morena até mordia os lábios, essa chegou a levar as roupas para mim no vestuário, eu passei dias pensando nas duas, e resolvi passar por lá um dia sem minha esposa, era uma terça-feira final de expediente, quando eu entrei na loja e pedi para experimentar umas camisas, elas lembraram imediatamente de mim e de imediato me atenderam. a loura era a dona da loja, chamada fernanda e a morena mônica, eu quase morri quando fernanda pediu a mônica para fechar a loja, ela me perguntou se eu importava. imagina… foi quando a coisa começou a esquentar, elas sabiam o que eu queria, e já foram logo me mostrando umas cuecas, mandei ver, fui para o provador e tirei a roupa, coloquei a cueca e mônica veio ver a situação, meu pau já estava duro e quente, fernanda chegou e disse: – que coisa linda, vamos dar um trato e me perguntou: – você veio aqui por nossa causa, não é? – mas é claro, estou tarado em vcs. fernanda então disse: – vamos fazer a festa então. logo em seguida abaixou e começou a tirar minha cueca e pegou bem firme meu pau, começou a passar a língua na cabeça, e bem devagar começou a lamber meu pau, chupava feito uma cadela, e dizia quero ser fodida como nunca, meu marido nunca faz o que eu quero, agarrei pelos seus cabelos e comecei a fuder sua boca com força, ela ainda de roupa, se levantou e começou a mostrar seus dotes, enquanto mônica já tinha tirado tudo e já atolava os dedos na sua linda buceta, eu olhava mônica tocando uma sirica e vendo fernanda tirar a roupa, alisava meu pau e dizia, qual das duas vou comer primeiro, fernanda disse: – vai foder a mônica junto comigo, mônica deitou-se ao chão de pernas arreganhada e fernanda deitou-se por cima dela, e mandou eu lamber junto com ela a buceta de mônica, que maravilha, beijava fernanda e lambia a buceta de mônica, comecei a lamber o cú de mônica e a meter um dedo, dois dedos e fernanda metendo a língua em mônica, a essa altura mônica gemia de prazer, foi qd comecei a bater meu pau na cara de fernanda e meter naquela maravilha buceta de mônica. mônica por sua vez lambia e metia o dedo na buceta e no cú de fernanda, mandei mônica ficar de quatro queria comer aquela vaca e mandei meu pau de uma só vez, até o fundo, ela gritava, me fode, me arregaça, fernanda me ajudava, eu tirava da buceta de mônica e fernanda mamava meu pau e dizia: – vc terá de fuder meu cú desta forma, anda come logo a mônica, mete nela, fernanda sentou de frente para mônica e mandou mônica enfiar na buceta e no cu seus dedos, isso me encheu mais ainda de tesão, quase gozei só com a cena, comecei a bulinar no cú de mônica e ela mandou eu fuder aquele cú com força, me fode, quero seu pau todo dentro de meu cú… coloquei a cabeça e aos pouco seu cú foi ajeitando todo meu pau, que delicia, que bunda, apertava sua bunda e esfregava seu grelo durinho, fernanda se levantou e ficou em pé na minha frente, e mandou eu chupar sua buceta, enquanto meu pau atolado no cú de mônica, que gemia e pediu para eu revezar, comecei com força, ora no cú, ora na buceta, até que mônica gozou no meu pau e fernanda fez questão de mamar o gozo de mônica, logo, fernanda debruçou no balcão e mandou eu come-la logo, mas daria apenas o cú, dizia ela que a buceta era só do marido, eu não esquentei de forma alguma, aquele cú era o que queria e comecei a penetrar com a língua, depois com o dedo até ficar bem lubrificada, ficamos assim por uns 10 minutos, até que meu pau começou a roçar seu rabo e fiz pressão naquele cú apertado, fui metendo devagar e mônica já metia dois dedos na buceta de fernanda e chupava meu saco, meu pau latejava dentro do cú de fernanda e comecei a rebolar dentro daquela rabo, ela dizia: – fode meu rabo, rebola seu pau no meu cú, me come seu puto, seu vagabundo, me trata como uma piranha, mandei ver… comecei e meter com força naquele cú, enterrei meu pau até as bolas, apertava a cintura e pressionava seu corpo contra o meu, e mônica, lambia meu saco, chupava os peito de fernanda, elas se beijavam, até que eu não agüentei e mandei porra pela boca de mônica que já esperava a muito tempo, fernanda ficou parada, e mônica mamava meu pau, fernanda começou a beijar e lamber os lábios de mônica com porra, ela olhou para mim e disse: – quero que goze de novo, respondi que sim, e mandei a duas debruçarem no sofá que tinha na loja, mas antes dei meu pau para elas mamarem, para reanimar o coitado, depois de algum tempo, meu pau ficou duro de novo, e as duas foram para o sofá, que cena, aqueles dois rabos empinados me esperando, comecei a roçar um rabo e a meter o dedo em outro, metia o pau na buceta de mônica e fiz menção de comer a buceta de fernanda mas ela não deixou, tudo bem… mandei de novo naquela cú já arrombado, e metia, fudia a buceta de mônica e arrombava o rabo de fernanda, até que estava quase gozando novamente e fernanda mandou eu comer mônica e gozar na sua boca, não demorou e gozei, gozei, e meti meu pau na boca de fernanda, ela mamou toda minha porra e esfregava na cara, nos peitos, que maravilha, nunca imaginei que isso pudesse acontecer… tem mais, mas conto depois…

Eu e a a patroa e um casal de amigos

Me chamo Cido e a esposa Alana, contei de um relato a dias aqui sobre um casal que conhecemos no litoral . bom mas esse aconteceu ontem foi muito legal.

Fodida pelo amigo do meu marido

Meu nome real é Juliana e tenho 17 anos, mas me casei faz 2 anos com um cara de 26 anos. Eu trabalho em uma loja, mas nesse dia saí mais cedo, então vim direto para casa. Sou morena , tenho 1.70, seios médios e bundinha grande, desde os 14 anos tenho corpo de mulher que deixam os caras babando, inclusive os amigos do meu marido. Nesse dia, meu marido ainda estava no trabalho, sempre fomos um casal que gosta de ménage e sacanagem pesada . Eu estava com um tesão enorme, que nem um banho resolveu, então já que eu não via meu marido a dois dias pq eu estava na casa da minha mãe, decidi aprontar alguma. O meu vizinho que também é amigo do meu marido é doido pra me comer, sempre noto as olhadas dele, então vesti um top branco transparente e um short colado aparecendo a popa da minha bundinha jovem e resolvi pedir uma xícara de açúcar. Chegando lá ele me pediu pra esperar na sala e foi colocar o açúcar, na volta ele me deu a xícara e fingi derrubar no chão inteiro, como se fosse sem querer. Então quando fui limpar me abaixei e meu seio pulou para fora do top deixando ele louco e sem ação, foi aí que perguntei;

O Porteiro

Meu nome é Pedro e tenho 23 anos, mas este fato aconteceu ano passado, quando eu tinha 22. Moro com minha mãe em um apê aqui no RJ já faz uns 5 anos, desde quando meus pais se separaram. Como já estamos há um tempo aqui, acabei pegando amizade com todos os porteiros daqui.

Puta a pedido do Corno em Curitiba

Faz algum tempo que não publicava minhas aventuras, nem sempre os casais ou casadas desejam que que escrevam o que aconteceu, mas este especificamente a esposa me pediu e fez questão que eu escrevesse.

Minha primeira transa

Olá gente, mi chamo leda esse é meu primeiro conto, espero todos goste, sou casada à 10 anos ,tenho 1,70m ,seios médio bumbum meio empinado , sou boa na cama,meu marido chama-se Márcio tem 1,80m ele um ótimo marido, só não é mais completo pq pau de tem só 17 cm,foi com ele q perdi minha virgindade aos 20 anos ,tive vários namorados mas só beijos mesmo,o Márcio foi mim conquistando aos pouco, conhecemos na mesma empresa ,eu queria casar virgem,no final de semana meus pais e meu irmão foram passa final de semana na praia só chegava na segunda,o Márcio falou leda eu vou ti fazer companhia pra vc não fica só, falei certo