banco erotico

Visita a Casa de Swing com uma Leitora de contos eróticos

Uma leitora entrou em contato comigo dizendo que adorou os contos e que gostaria de conhecer uma casa de swing. Trocamos algumas mensagens e depois passamos a se falar por whatsup. A foto era de uma loira no perfil e achei que seria interessante marcamos de ir juntos na casa. Trocamos algumas fotos (comportadas) pelo whatsup e depois de umas 2 semanas conseguimos encaixar a agenda para irmos.

O mijo virou carona

Antes de tudo, deixe aqui abaixo seu comentário, ou envie mensagem in box. No chat CONTO ERÓTICO.

Dupla Penetração com meu marido e amigo

Esse caso começou num domingo pela manhã quando eu e meu marido estávamos nos

Dando no carro pro colega de trabalho

Me chamo Carol, tenho 1,60, bumbum grande, seios médios e 49kilos bem distribuidos.

Carona com meu professor gostoso

A sexta feira começou muito ruim, acordei atrasada, tinha prova de biologia no primeiro período e o pessoal da republica já tinha se mandado, ou seja, perdi também a carona. Procurei não me estressar, tomei um banho rápido, vesti uma saia e um camiseta branco, peguei minha bolsa e a pilha de livros e saí correndo, perdi a prova e tomei uma baita bronca do professor. Eu estava tão cheia de raiva que nem prestei atenção nas outras aulas. Quando saí da sala de aula vi uma galera parada na porta, só então percebi que estava chovendo, sempre adorei chuva, aquela era uma boa oportunidade pra relaxar, deixei meus livros no armário e caminhei até a porta, precisei abrir caminho entre as pessoas pra poder chegar até la, ouvi cochichos de algumas estressadinhas, mas nem dei bola, saí no meio da chuva, não demorou muito e minha roupa já estava ensopada, eu já estava chegando no portão da faculdade quando um carro parou ao meu lado e abriu um pouco o vidro.

Corno bebado…

Sou Heitor vou compartilhar um conto erotico real vivido por mim.

Nosso segundo menage masculino

Conto Erotico Nosso segundo menage masculinoDepois do primeiro menage masculino, onde fomos a um barzinho e em seguida ao motel com um amigo, mas muito nervosos e acababos ficando muito pouco no motel, resolvemos fazer o segundo menage, bom minha esposa uma bela morema 1.65 altura, seios médios, bundinha deliciosa com uma marquinha minuscula. No primeiro o marido escolheu o amigo nada mais justo q ela escolhesse no segundo, depois de algum tempo se conhecendo e se exibindo no msn resolvemos combinar, ele era de sp e veio até nós, combinamos de ir direto ao motel, pois no primeiro encontro percebi q o garçom ficou tentando ouvir nosso papo, então resolvemos ir direto ao motel. Ele chegou a nossa cidade por volta das 21:00 horas, ligou no meu celular dizendo q ja estava no no local onde haviamos marcado, estacionamento do shopping, ela ja bem mais solta me pediu para ir no banco da frente com ele, q ia sentar de maneira bem sensual deixando o fio dental a mostra, eu concordei pois fiquei com muito tesão quando ela me pediu, e assim foi, ela de vestido minusculo sentou deixando o fio dental a mostra pra ele, ele percebeu e tb fez questão de mostrar como ficou, eu só fiquei observando tudo no banco de tras, ele pediu pra ela mostrar o fio dental ela me olhou e eu balancei a cabeça concordando, ela deitou o bando e subiu o vestido ele não resistiu e ficou passando a mão na bunda dela, depois ela foi quem pediu pra ele mostrar, ele sem titubiar soltou o ziper da calça e mostrou pra ela, ali percebi q a noite seria quente. Chegando ao motel ele ja pediu para ela mostra novamente, ela ja foi tirando o vestido e ficou só de fio dental, era branco e minusculo, ele abraçou ela por tras e ficou fazendo q ela sentisse todo seu volume, ai eles foram pra cama, ela ajoelhada e ele de pé, ele bem safadinho abaixou a calça e ela ficou mordendo o pau dele por cima da cueca e em seguida tirou para fora da cueca, humm fiquei morrendo de tesão vendo ela fazendo isso, depois de alguma chupadas ele pois o preservativo e puchou ela para cima dele, ela sem perder tempo pegou com a mão e encaminhou para bucetinha, cavalgou gostoso no pau dele, depois ele colocou ela de ladinho e a penetrou, em seguida ela se colocou de quatro e ele veio por tras e penetrou sua bucetinha q estava molhadinha rsrsr, meteram bastante assim e foi quando ouvi ela gemendo dizendo q ia gozar, ele tb ja não se aguentava mais e retirou o preservativo e lambuzou a bundinha dela de leitinho, isso a pedido meu rsrsrs, meu pau estava latejando de tesão vendo a esposinha assim rsrsr. Depois de um bom banho começamos de novo mas agora ele chupava a bucetinha dela e ela chupava meu pau, deixei os dois sozinhos e fui até o carro quando voltei ela estava deitada abertinha e ele colocando tudo nela rsrsrs, não demorou muito ele pediu para gozar nos peitinhos dela, nem precisou ela concordou e foi aquela gozada nos peitinhos rsrsr. Ficamos um tempo na banheira e fomos embora, chegando em casa transamos bem gostoso e ela me contando os detalhes, como foi o segundo menage, uma delicia, agora ela me dise q sempre teve curiosidade de ver um bem dotado, quem sabe no próximo…

Primeira vez transando com uma Travesti

Olá, me chamo Gabriel*, tenho 23 anos e na época cursava minha graduação ainda.

Minha iniciação no fio terra

Boas para as pessoas que gostam de ler Contos Eróticos gostam de ler esses contos, acredito que uns são verdadeiros e outros de pura imaginação, mas tem alguns mesmo sendo imaginário dá uma grande excitação, ou seja, é muito legal ler essas histórias. Mas vamos lá, tenho 56 anos, divorciado a algum tempo, tenho 1,70 de altura 79 kg, cabelos grisalhos, curtos, tenho uma profissão que meche muito com as pessoas, sempre tive a mente aberta para a sexualidade, sempre respeitando o gosto de cada pessoa, cada um dá o que gosta. Depois que me separei, comecei a usar a net para achar alguém para sair, namorar ou até mesmo para ter um relacionamento mais sério, tive algumas aventuras, só uma saidinha sem nada acontecer, mas também tive bastante que renderam altas fodas, de tirarem o folego, sair do motel com o pau esfolado. Mas vamos ao que interessa a namorada atual também conheci na net, num site de relacionamento, ela tem 56 anos também e temos a mesma profissão, ela tem 1,68 de altura, loira, seios muito bem feitos, um pouco gordinha, ou seja, tem sustância para pegar, e uma linda bucetinha que é muito boa de chupar, principalmente seu grelhinho, um tanto quanto avantajado, parece um pauzinho que estou chupando, muito gostoso. Na primeira vez que nos conhecemos foi em um Shop, cheio de pessoas, sabe como é, não conhecemos as pessoas ainda, ficamos conversando mais ou menos umas cinco horas, até o local fechar, ficando de nos falarmos outro dia, assim o fizemos saímos no final se semana, fomos a um barzinho para conversar, mas lá começou a pegação, vários beijos na boca passa a mão aqui ali, e de repente ela pega no pau e dá uma apertada gostosa, fazendo com que ele ficasse mais duro ainda, não tivemos duvida pedimos a conta e saímos correndo para um motel, mas como era final de semana, a fila de espera era muito grande e a excitação falava mais alto resolvemos ir para um driven, pelo menos para ter uma pegação mais gostosa, pois ficar nas ruas de sampa é muito perigoso, muitos assaltos e por ai afora. Quando estávamos entrando no driven voltamos a ser adolescentes, uma euforia muito gostosa, entramos do box e começamos a nos beijar muito, aqueles beijos que as amidalas vem a boca, um chupando a língua do outro, muito gostoso, beijo de tesão mesmo. Nesse momento falei, vamos para o banco de trás do carro, pois em muito mais espaço, podemos ficar mais a vontade, assim mudamos de lugar, no banco de trás ela já tirou a blusa e mostraram aqueles peitões gostosos, que enchem as duas mãos juntas, um biquinho maravilhoso de se chupar, mamaram como um bezerro desmamado, e por sua ela gemia muito de excitação, nisso comecei a tirar a sua calça, deixando-a de calcinha, bem pequena, atolada na bunda, passei a mão em sua xoxotinha, por cima da calcinha mesmo, e está estava toda molhada de tanta excitação, ela me pedia para colocar o dedo dentro dela, quase eu me implorando, mas me fiz de rogado, tirei a calcinha e cai de boca naquela xoxotinha gostosa, toda molhadinha, que chegava a escorrer pela perna, chupei muito até ela gosar na minha, me fazendo sentir seu gosto, sentir seu cheirinho de excitação. Depois foi a vez dela me dar prazer, começou beijando meu pescoço, tirou minha camisa chupou meus peitos, mordiscou meu mamilos, que dá uma excitação muito grande, meu a essa altura já queria furar a calça, de tão duro que estava, ela foi me despindo bem devagar, eu implorava para abocanhar meu pau e ela para me torturar ia bem devagar, desabotoou minha cinta, abriu o botão da calça, ai a tirou, só a calça, deixando a cueca por último, e por cima da cueca começou a mordiscar meu pau, pegava ele com gana, apertava, esfregava fazia de tudo, até que não aguentei, eu mesmo acabei me despindo todo, ficando de pau a amostra, ele é do tamanho normal da media brasileira, mas nunca ninguém reclamou que era pequeno ou grande demais, tamanha ideal para comer um cuzinho sem machucar e dar muito prazer, minha namorada que fala isso, mas voltando ao driven, quando viu meu pau todinho de fora não deu outra caiu de boca, chupava muito, lambia de cima para baixo, de baixo para cima, colocava ele todinho na boca, como ele é do tamanho normal entrava todinho em sua boca, chupava as bolas do saco, colocava todinha na boca, lambia, estava fazendo misérias no meu pau, eu não aguantava mais, queria gosar, mas quando ela percebia que estava quase gosando ela parava dava um tempo, em uma dessas lambidas para baixo chegou ao períneo, aquele pedaço de espaço que fica entre o saco e o anus, quando ela passou a língua lá subi as nuvens, nuca tinha sentido isso, ela vários minutos lambendo, babando, deixando sua saliva escorrer, mais para baixa, deixando meu cuzinho todo molhado, depois ela me falou porque fez isso, lambeu meu cuzinho deliciosamente colocando a ponta da língua dentro dele, obs: antes de sair de casa tinha feito uma chuca, foi ai que senti uma leve pressão no meu cuzinho, era o dedinho querendo entrar sem pedir licença, quando dei por mim, ela já tinha enfiado todo o dedo dentro de mim, senti uma leve pressão na próstata, o que fez eu delirar, sentir o que nunca tinha sentido antes, logo depois colocou outro dedo, ficando dois lá dentro, o fez eu sentir muito mais tesão. Ai ele começou a me comer com os dedos, num vai e vem muito bom, a essa altura estava quase gosando sem mesmo colocar a mão no pau, foi ai que ela começou a me chupar de novo, não deu outra gosei rapidinho em sua boca, onde ela engoliu todo me leitinho e querendo mais. O que fica para outros contos. PS. Foi ai que fui iniciado no fio terra, nunca tinha feito isso antes, e até hoje em nossas transas ela me come muito gostoso, em outros contos falarei como ela me come e a como.

O Inesquecível Aniversário de Minha Esposa Gostosa

Vera completou 30 anos em plena sexta-feira. Como todo bom marido, apesar de me policiar para não deixar passar em branco, só quando cheguei em casa me dei conta que não comprara nenhum presente para minha amada.

A Professora e o clube dos sádicos

Foi um longo dia para Danilo e seu pequeno grupo de conspiradores. Hoje era o dia. Danilo e seu amigo Breno, sua namorada Brenda e a irmã dela, Lena, tinham planejado agir há muito tempo. Desde que a professora Srta. Betina chegou no início do ano letivo à faculdade, com todo seu charme e beleza. Todos os quatro a tinham cobiçado desde o primeiro dia de aula. Breno e Danilo estavam discutindo o que gostariam de fazer com a bela professorinha, quando as meninas entram na conversa, com algumas idéias e todos fantasiavam mil maneiras de se excitarem, quando tiverem a professora dominada por eles.

Lotação depravada

Lotação da sacanagem

Sexo com o colega de ponto de ônibus

Adoro ler contos e a história que aconteceu comigo dá um belo conto erotico.

Japinha safada fazendo anal gostoso

Adoro ler contos eróticos antes de uma transa, uma vez que fico bastante excitado e parece que na momento do coito encontra-se mais bom, no entanto, de modo algum relatei nenhuma das minhas transas. Por isso, resolvi acoimar meu primeiro bico de uma alienação que fiz há 6 anos na município de Jacareí. Entrei na dependência de abalroa bate-papo do uol na município de Jacareí e comecei a abordar um bate-papo bem sacana com uma moça com alcunha de japinha.

Visita a ginecologista tarado

Como de costume marquei uma consulta com meu ginecologista para realizar exames de cotidiano, o abertura aparecia abominável, acabei chegando um tanto atrasada e fiquei de último. Porém o que eu não sabia era que meu ginecologista Dr. Samuel aparecia aberto por complicações pessoais.

Vizinho tarado

Na época tinha 18 anos não podia dirigir, ai encarava o onibus. Entrei no ônibus que já estava lotado e fiquei em pé, como quase sempre ocorria. Não demorou muito e a minha bundinha empinada sob a sainha chamou a atenção de um homem mais velho que se posicionou atrás de mim, eu cansada e sendo chacoalhada para todo lado e de repente sinto que ele encostou de leve na minha bundinha, imediatamente senti um arrepio que subiu até a minha nuca, deixando meus pelinhos em pé, nunca tinha sentido aquilo no ônibus e não sei por que estava sentindo agora.

Comendo a boceta da vizinha coroa

Sou Leitor assíduo dos contos eróticos, só que tem muitas histórias narradas como verídicas, que na verdade, é fruto da imaginação nada fértil de Alguns leitores, a história que passarei a narrar, aconteceu comigo há exatamente 21 anos atrás, na época eu tinha 16/17 anos, eu moro em uma cidadezinha do interior da Bahia, nessa época eu trabalhava das 08:00 às 13:00, era um maníaco sexual, coisa normal na idade de um garotão saudável, o fato interessante para vocês, era que nos fundos da casa de meus pais Morava uma senhora, Dª Maria Antonia, era Uma Mulher Negra, bem robusta, os seios bem farto uma bunda enorme, não era muito barriguda, era

Sacanagem total com a pastora fudona

Me Chamo Robert, 36 anos.

Advogada sadomasoquista

Advogada Sadomasoquista Me chamo Isabella, tenho vinte e oito anos, sou loira de olhos castanhos claros, possuo um corpinho muito bem malhado e sou casada. Achei super interessante os contos eróticos relatados neste maravilhoso site. Há alguns meses escrevi algumas das minhas melhores aventuras para uma revista pornô, e venho recebendo cartas de elogios daquela revista até hoje. Decidi então contar um relato para este site, espero que gostem. O meu marido o Roberto, desde que nos casamos, nunca me satisfez na cama. Ele se esforça muito para conseguir gozar, as vezes tenho que ficar durante quatro horas direto com ele na cama, buscando as posições mais diversas na tentativa de ver um pingo de esperma sair daquele pau pequeno. Acreditem é uma coisa terrível. Mas felizmente o que me prende a ele é a generosidade, o respeito, o carinho, a ingenuidade e é claro a sua “grande fortuna”. Em prol deste fator, a anos que dou umas escapadas com algumas amigas e as vezes sozinha, buscando o sexo perfeito com diversos tipos de homens que encontro. E ele nunca soube de nada Vou lhes contar minha ultima transa. Trabalho numa defensoria pública, apesar do meu marido querer me extinguir de trabalhar, mas é obvio que nunca aceitaria, morreria de tédio dentro daquela casa sem ter o que fazer. Todas as sextas-feiras saio com meus amigos para dar umas bebidinhas e dançar em boates. Já fiz sexo com todos eles é claro, são seis no total e todos casados, transo com um, dois e as vezes com todos ao mesmo tempo e acreditem que até já enjoei dos mesmos. Na ultima Sexta, saímos todos para um barzinho de esquina e bebemos muita cerveja, eu sempre pago a conta, quem convida é quem paga esse é o meu dilema . Era um bar pobrezinho com duas mesas de sinuca, o tipo de bar que só tem velhos cachaceiros. Eram duas da madrugada, estavam todos como de costume um pouco bêbados. Todos estavam sentados conversando abóbrinhas, eu hora sentava no colo de um e de outro, beijando um e beijando outro e deixando que me passassem a mão nas coxas e seios. Não me considero uma puta, apenas amo demais o sexo. Percebi em certo momento, que havia dois homens de mais ou menos trinta anos sentados no balcão do bar bebendo cachaça e fumando cigarros. Pareciam dois jagunços, eram fortes e trajavam roupas velhas e rasgadas. Percebi que eles olhavam tudo que estava acontecendo em nossa mesa e aquilo me excitou muito. Resolvi então ir até eles. Cheguei no meio dos dois bem de pertinho e pedi um cigarro. Um deles então retirou o cigarro do bolso e estendeu a mão para me dar. Quando olhei para aquela mão grossa, calejada de muito trabalho e as unhas pretas fiquei ainda mais excitada. Pedi então que colocasse o cigarro na minha boca e acendesse, o homem obedeceu sem falar nada. O outro me encarava me comendo com os olhos. O que acendeu o cigarro olhou para mim e falou com uma voz grossa, “quer mais alguma coisa”, e respondi: “quero vocês dois dentro do meu carro agora.” Na mesma hora levantaram e pediram a conta. Peguei a bolsa na mesa onde estavam os rapazes, não falei nada com ninguém e paguei a conta dos dois homens e dos rapazes. Me abracei com aqueles jagunços e fui em direção ao carro. Abri a porta para eles, olhei para os rapazes dei um beijo na boca de um dos homens sentindo o bafo enorme de cachaça, e dei um tchauzinho para os rapazes. Todos me olharam com cara de palhaços sem entender nada. Ao entrar no carro me virei para o homem que estava do meu lado e perguntei para onde queriam ir trepar comigo o resto da noite. Responderam em qualquer lugar. Fui até a um motel barato mais próximo e estacionei. Ao chegar na portaria havia me esquecido que não poderia entrar com três pessoas num mesmo quarto, então paguei dois quartos e subimos os três juntos. Ao chegarmos no quarto havia uma cama imunda com um lençol embolado e baratas passando no chão. Em primeiras condições fiquei com um certo nojo mais se havia chegado até ali deveria ir em frente. Telefonei a portaria e pedi que me trouxessem duas garrafas de um whisky qualquer, para ter mais coragem. E enquanto esperávamos, tirei toda a minha roupa e chamei os dois para o banheiro junto comigo. Havia somente uma banheira pequena para uma pessoa, mas pelo menos a água era quente. Então fui até eles e comecei a desabotoar as camisas com todo cuidado, como se ali estivessem dois homens luxuosos. Eles fediam muito a suor, aquilo foi me deixando em brasas. Retirei a calca de um deles e fui surpreendida com uma ferramenta enorme, devia ter uns 23cm. Na mesma hora encostei meu nariz naquela coisa fenomenal e respirei fundo, para sentir aquele cheiro másculo. Naquele momento estava completamente molhada. Comecei a chupar o pênis daquele homem como se fosse o último do mundo. Olhei então para o outro, e percebi que já havia retirado toda a roupa. Aquele também não ficava para trás, não era grande mas era bastante grosso. Os dois homens eram extremamente feios, mas o que me interessava no momento não era a beleza e sim sentir aqueles jagunços me estuprarem com todas as suas forças. Tomamos um banho rápido, onde fiz uma breve chupeta para os dois, sem fazê-los gozar, afinal eu queria me divertir a noite toda. Fomos para cama e as bebidas já haviam chegado, o dois homens abriram-na com rapidez e beberam no gargalo como se fosse água. Percebi que um deles havia colocado uma arma em cima de uma mesa. Aquilo me deixou um pouco assustada, pois nunca gostei de armas. O outro pegou sua calça e retirou um saquinho de cocaína de dentro. Derramou-o na mesa e perguntou se eu queria, respondi que não e que a única coisa que queria era sexo. nunca gostei de drogas, apenas bebo muito. O dois cheiraram uma enorme quantidade daquele pó e vieram em minha direção. Eu estava deitada com as pernas cruzadas, um pouco receosa com que havia presenciado. Resolvi não me preocupar muito e derramei a metade do whisky que estava na garrafa, os dois começaram a rir. Então fui em direção a eles e disse: “pegue o seu cinto e me bata”, ele respondeu que era exatamente o que iria fazer. Pronto… a excitação havia chegado no auge. Disse a eles que seria sua escrava durante toda a noite. Me pus de joelhos, fui engatinhando até os pés dos dois beijei e passei a língua. Eles pareciam não acreditar no que haviam presenciado. Uma mulher daquele porte se sujeitar daquela maneira. Daí um deles me pegou pelos cabelos e disse: “Você quer ser nossa escrava sua piranha, então vai desejar nunca ter nos conhecido.” Não liguei para o que ele disse na hora e comecei a rir. Me jogaram em cima da cama e me puseram de quatro. Comecei a gritar pedindo que me surrassem. Os dois pegaram seus cintos grandes de coro velho e dobraram na mão. Beijaram minha bundinha que estava toda arrebitada e branquinha até aquele momento, e disseram: “Quero ver você chorar sua égua.” E os dois de uma só vez me deram a primeira chibatada. Soltei um enorme grito, e fui jogada para fora da cama com a dor, escorreram lágrimas instintivamente naquele momento. Em seguida amarraram um pano sujo na minha boca. Me puseram deitada de costas sobre a cama. então começaram a dar fortes estocadas sobre minhas nádegas e costas. Eu gemia e chorava de dor, sempre gostei de apanhar, mas aqueles homens eram fortes demais e eu não havia medido as conseqüências. Foram muitas chibatadas, eles riam e me batiam com mais força. Depois de uns seis minutos de seguidas chibatadas eles pararam, já não tinha por onde sair lágrimas de mim. Minhas costas estavam dormentes, e não sentia minhas nádegas. Retiraram o pano da minha boca. E se deitaram na cama um de cada lado, eles haviam ficado suados por causa das chibatadas. Eu não sabia se sentia prazer ou se chorava, estava fora de sí. Começaram a morder os meus seios com força e enfiar os dedos com violência na minha vagina. Disse a eles para ir com mais calma dessa vez. Levei um enorme tapa na cara por ter falado aquilo. Um deles me colocou por cima e enfiou aquela pica enorme de uma vez só em minha vagina, soltei um gritinho de dor
e fui me acostumando. O outro veio por trás cuspiu no cú e foi metendo com violência, o que estava embaixo puxou minha cabeça e me deu um beijo para que não gritasse. Quando dei por mim, estava sentindo o saco encostando na borda do meu cú. Sentia uma dor acompanhada de um prazer incrível, ser enrabada por dois homens enormes de uma só vez. Os dois gemiam como cavalos, com seus bafos quentes no meu pescoço, dando estocadas firmes e fortes sobre mim. Estava louca de prazer. Ficaram naquela posição durante quase uma hora, quis mudar de posição mas eles não deixaram. Por fim o que estava me enrabando por trás saiu, e disse que ia gozar, o que estava embaixo me tirou de cima dele. Senti um vazio dentro de mim naquele momento, olhei pra minha vagina e havia um pouco de sangue escorrendo, meu cú estava dormente e totalmente aberto. O homem que ia gozar puxou minha cabeça com violência sobre seu pau e disse que ia ter de engolir tudo se não iria apanhar, abocanhei aquele grosso cacete enquanto o homem empurrava minha cabeça pra trás e pra frente. Engoli uma quantidade enorme de esperma que jorrou como cachoeira em minha garganta. Lambi os beiços e fui em direção ao pau do outro. Ele olhou para mim e disse que queria me foder mais, respondi que não agüentava. Levei outro tapa na cara. Me colocou de quatro e enfiou seu enorme cacete no meu cú. Aquela pica era maior que a outra, senti uma dor horripilante ao ser penetrada de uma só vez. Encostei a cabeça na cama e fiquei com a bunda empinada para cima para facilitar. Passaram-se cinco minutos de fortes estocadas, foram os melhores momentos daquela noite, ser enrabada com firmeza por aquele homem, eu gemia todo o tempo agradecendo aquela enorme pica. Quando por fim senti aquele liquido quente entrar pelo meu cú. Então retirou sua pica me deu um tapinha na bunda e me chamou de gostosa. Dei uma chupadinha em sua pica aproveitando um restinho de esperma daquela coisa maravilhosa. Deitei na cama quase morta sentindo o liquido vazar pela minha bunda e pedi a eles que se deitassem do meu lado e dormir comigo o resto da noite. E por fim eles começaram a se vestir, perguntei para onde eles iriam. Me disseram que tinham que voltar para casa e dormir com suas esposas, e não podiam mais perder tempo com uma puta como eu. Levantei da cama fui ao encontro deles, peguei duas notas de cinqüenta reais, coloquei dentro da cueca de cada um e falei: “quando quiserem me foder de novo e só me ligar, aqui esta meu telefone, pago mais da próxima vez. Me apaixonei pelos seus cacetes”. Dei um beijo longo na boca de cada um e pedi que me comessem mais um pouquinho. Eles agradeceram e me disseram que da próxima vez iria ser melhor. Paguei a conta e fomos embora, disse que iria levá-los até em casa. Me disseram que a casa deles era muito longe, eu respondi que não me incomodava. Pedi a um deles, (o da pica menor) que fosse dirigindo, para que eu fosse com o outro no banco de trás do carro. Queria aproveitar até o ultimo momento junto daquela pica. Entramos no carro e começei a alizar o pau dele por cima da calça, dando lhe uma beijo na boca. Ele me chamava de linda e de gostosa. Perguntei se queria parar em qualquer bar para beber mais um pouco e ele respondeu que não. Falei que iria sentir muita falta da pica dele, pois nunca tinha visto uma igual, e disse que a mulher dele tinha sido premiada. Abri o zíper da calça e iniciei uma chupeta com todo o carinho e amor. Quando ele gozou engoli até a última gota daquele liquido sagrado. E por fim chegamos no local onde moravam, era um vilarejo bem pobre. Fui em direção ao amigo dele dei um beijo no rosto e o perguntei se queria mais um boquete para terminar a noite. Ele disse que já estava tarde e tinha que ir embora. Me despedi dos dois e pedi implorando para que não me esquecessem. Os dois foram embora sorridente e eu fui realizada. Cheguei em casa eram mais de quatro da manha e me deparei com meu marido coitado roncando feito uma mula na cama. deitei do lado dele sem tomar banho, queria ficar impregnada com o cheiro daqueles jagunços até amanhecer o dia. Me abracei com meu marido levantei sua cueca e pus a mão naquela coisinha, imaginando estar com o jagunço do meu lado. E minha vida é assim…

Orgia deliciosa na sauna

O meu nome é Alexandra, tenho 22 anos e tenho cabelos castanhos aloirados e olhos castanhos-claros, 1,66m e 55 kg. Os meus seios são médios e tenho um cuzinho arrebitado. A minha história começa quando fui convidada para um almoço da minha turma da

Uma Bela Morena e sua Namorada

Olá amigas e amigos teste site de contos eróticos, venho contar mais umas de minhas aventuras, mas deixa eu me apresenta para os que não leu minhas historias anteriores, sou Morenoalto37, trabalho em uma grande empresa de Logística em Belém-Pa, tenho 51 anos, sou moreno claro,1,80m, 100kg, olhos e cabelos negros, casado a 26 anos, por isso sempre só irei dizer somente a primeira letras dos nomes por motivos óbvios. No meu conto anterior conheci “A” uma bela morena que me conversou que é BI, que tinha uma namorada mas gostava de sai com homens também. Saímos algumas vezes sempre fantasiando a presença de sua namorada coma gente. Ate que “A” me apresentou “B” como sento seu colega de trabalhos.  Começamos a sai os três juntos mas sem nada acontecer somente como bons amigos e tanto o maior apoio ao namoro delas, olhava elas se beijando e se acariciando no banco de traz do meu carro e sempre desejando esta no meio delas, mais nunca forçando nada. Ate que num sábado estava no trabalho quanto “A” me liga dizendo que estava com “B” e perguntou se poderia busca-las em Icoaraci, falei que já estava terminando meu trabalho que estaria com

Dando uma trepada com meu primo em seu carro

Sou moreno 1.68,74kg cabelo curto olhos claros,bunda lisa,sou bi,sou casado por isso faco tudo no maximo de sigilo.vamos ao conto erótico gay comigo dando uma bela trepada com o meu primo passivo dentro do carro.

A dona do Gelatto

Olá, meu nome é João. Tenho 21 anos e sou estudante de Direito numa instituição de ensino muito conhecida em Brasília. A história que eu venho lhe contar nesse momento tem traços de realidade e traços de um sonho que eu tive.

Uma enfermeira fogosa e safada

Betinha é uma enfermeira morena e casada, em torno de 40 anos, decepcionada com a instituição do casamento, e que mantém o marido dentro de casa por ele não ter como se sustentar. Já fazia mais de um ano que ele se transformou num estorvo dentro de casa, e não via mais motivos e nem tinha tesão em transar com ele que estava desempregado e reclamando de tudo. Resolveu se cadastrar no site Badoo em 2011, e por lá me encontrou alguns meses antes de eu encontrar minha namorada atual, a Marina.