O meu sonho de virgem

Lembro como se fosse ontem
O melhor dia da minha vida, vou me apresentar, meu nome é Felipe(nome falso)
Sou magro, moreno, e meu pinto é de um tamanho normal de acordo com a média “normal de um homem”
eu na época tinha 15 anos e estudava numa escola infernal
Os alunos eram uns babacas, e as vezes sociopatas, menos alguns amigos meus que eram até legais
A única parte boa, era que a sala era lotada de garotas, a maioria gostosas
Sempre fui timido e bastante anti-social, além do mais as garotas que me conhecessem direito descobririam que eu era um taradão
Cheguei a uma vez a bater punheta dentro da sala(por favor não me julguem)
Enfim
Tudo começou em uma sexta-feira a tarde
Eu estudava de manhã, mas fazia integral a tarde
Pra você que não sabe, integral é como se fosse uma aula a tarde para reforçar seus estudos
Eu ficava, pois tinha muita dificuldade nas matérias, o professor era um careca de quase 70 anos e era chato pra krl, não tinha ninguém legal na sala do integral e sempre era o tédio
Mas nesse dia foi diferente
Quando menos percebi, duas garotas entraram para a sala do integral
Duas que eu não via frequentemente ali
Mas que eram da minha sala
(Colocarei nomes ficticios nas duas)
Bia e Débora
Bia tinha cabelo curto com franja e pintado de preto, pele branca quase pálida, lábios carnudos peitos e uma bunda enorme que dava um tesão
Débora era magrinha, cabelo vermelho, peitos e bunda pequenos mas que eram gostosos também e pele branca
Já tinha batido várias punhetas pensando nas duas
Eram minhas poucas amigas meninas
Demorei muito para conseguir a confiança das duas
Ambas tiveram tretas com minha primeira e até então única namorada no passado
(Não cheguei a transar com a mesma, como disse, ainda era virgem até esse dia)
Me impressionei e cheguei a me animar quando as duas chegaram e sentaram perto de mim
As mesas eram coladas uma na outra, formando um quadrado
Eu sentei de um lado
E as duas sentaram uma do lado da outra nas duas mesas a frente
Me disseram que estavam ali porque tinham que estudar para uma recuperação que tinham pegado
Perguntaram se eu conseguia ajuda-las
Por sorte era uma matéria de humanas
É claro agente quase nunca estudava direito, elas se desconcentravam pra caramba
Débora era o tipico garota rebelde, maloqueira, já tinha admitido ser bissexual, namorado um menino, depois uma garota e agora estava no meio termo
Bia era tímida, aquele tipico gostosa santinha, mas quando se ganhava a intimidade dela podia ver que ela sabia sobre muita besteira e putaria
Como éramos intimos, conversamos sobre sexo e se já tinhamos transado alguma vez
Bia ainda era virgem
Débora por outro lado não deixou isso claro
Fiquei com tesão só de imaginar ela colando velcro com a ex-namorada
Com tanta conversa intima sendo trocada
Tive uma idéia que poderia me condenar ou dar certo
Comecei a aproximar o meu pé do pé das duas
Sentei no meio termo da divisão entre as duas mesas
O esquerdo do pé da Débora
E o direito estiquei até a mesa da Bia
Por incrivel que pareça
Nenhuma delas se afastou no momento em que eu toquei
Bia eu nem conseguia chegar muito perto
Eu lembro que teve uma hora que Bia levantou para perguntar algo ao professor que estava na mesa ao lado
Foi bom pelo fato de que tive visão daquela bundona
E enquanto a mesma estava longe
Eu e Débora voltamos a falar bastante sobre assuntos intimos
Lembro que ela falou algo do tipo
“E você, como se imagina transando?”
Foi inusitado, mas eu respondi
E eu respondi
“Sei lá, sonho as vezes com uma garota linda, um jeito diferente, que possa estar perto de mim e me excitar”
Por um momento me arrependi profundamente das minhas palavras
Tentei até abaixar a voz pra ela não ouvir
Mas ela ouviu
Nesse momento pareceu que ela moveu os braços até as pernas como se estivesss tocando em algo e estremecendo
Eu senti seu pé contornando o meu
E ficando preso ali
Nesse momento arrepiei
Bia voltou no mesmo momento
Passou o tempo, e não aconteceu mais nada
Terminou o integral
Ainda tinhamos que ficar um tempo esperando no pátio
Eu até meu pai chegar
Bia até a mãe dela chegar
Débora era a única que podia sair quando quisesse, mas ela preferiu ficar
Em um momento
Levantei e fui até o banheiro
Todos estavam trancados
Acabei tendo que ir em um banheiro lá pro fundo da escola em um corredor que quase ninguém passava
Entrei, fiz minhas necessidades
E quando sai…
Débora estava me esperando do outro lado da porta
Nem tive tempo de dizer nada
Debora:entra…
Ela me empurrou e fechou a porta
Me prensou contra a parede e começou a me beijar
Já tava bom até ai
Tinha perdido o BV só a 2 meses e tinha ficado viciado
Mas melhorou melhor ainda
Debora começou a levantar ninha camisa, nesse momento eu gelei e pensei comigo mesmo
“Isso tá acontecendo de verdade?”
Ela me sentou na privada
Tirou sua camisa e se meu pau já tava duro, ficou mais ao ver aquele sutiã preto
Abaixou minhas calças, tirou minha cueca
Debora:ai…quem diria que você era gostoso
Ela me masturbou um pouco, e começou a chupar e beijar minhas bolas, antes de cuspir e fazer um boquete
Dava pra ver que ela não era virgem, nem precisei começar a meter pra saber disso
O boquete dela era de profissional
Quando achava que aquilo não poderia ficar melhor
Vi a maçaneta tentando ser aberta, e alguém batendo fortemente na porta
Debora:droga
Como era o banheiro masculino, tive que gritar
“TÁ OCUPADO”
Bia:FELIPE, DEBORA, EU SEI QUE VOCÊS TÃO AI, ABRAM ESSA MERDA!!!
Bia?
Eu estranhei e até fiquei com medo, por sorte meu pau não chegou a broxar
Debora:sabia que você ia aparecer
Como?
Debora abriu pra Bia
E de cara puxou ela lra dentro e começou a beija-la
Eu não tava entendendo nada
Até que Debora contou…
Uma hora que eu sai pra falar com o professor no integral
Debora passou as mãos na coxa de Bia(discretamente) e começou a provoca-la
Quando eu fui para o banheiro
Bia já sabia que Debora ia me seguir, e a própria Debora disse que ela podia vir se quisesse
Mais uma vez
Meu tesão tinha aumentado
O banheiro era particulamebte grande, perfeito para um mênage
Debora voltou o boquete
Bia começou a me beijar
Mano, a quanto tempo sonhava em beijar aquela gostosa
Na verdade, eu sempre sonhei em comer pelo menos uma das duas
Mas as duas de uma vez
Eu não acreditava naquilo
Disse que ainda era virgem, mas Bia também era
Debora disse pra não se preoucuparmos, ela ensinaria tudo
Bia tirou a camisa com um pouco de vergonha
E não ousei não pedir para chupar aquele peito e aquela bunda enorne quando os vi
Foi um tempinho de preliminar
Aproveitando que eu tava chupando o cú da Bia
Fizemos um 69
Sim, sabiamos as posições
Éramos virgens, mas não inocentes
Debora chegou batia uma sirica vendo aquilo
E abriu a buceta com os dois dedos
Debora:Vem cá
Disse com uma voz docê, e inocente
Mas uma cara de safada mordendo os lábios
Minha primeira metida
Estocadas naquela bucetinha
Fazendo ela quase ir contra a parede
Como era a minha primeira vez, comecei rápido pra caramba, só que lembrei que tinha que me segurar
Pois não queria gozar tão rápido, queria aproveitar cada momento
Confirmei que Debora não era virgem, mas sua buceta ainda era apertadinha
Óbviamente
Ela devia ser mais lésbica do que bi
E seus gemidos me enloqueciam cada vez mais
Bia veio nas minhas costas
E criou coragem
Bia:minha vez Felipe
Bia se deitou e eu devargazinho comecei a entrar
Ela soltou um gemido
E eu vi…
Aquele sangue saindo de sua bucetinha
Peguei um papel e limpei meu pau como um nobre cavalheiro
Mas foi rápido, voltei a estocar
Entrando devagarzinho
O que antes era dor pra Bia, virou prazer
Bia:Felipe…mete mais…por favor…
Ela falou baixo e com vergonha
Mas eu ouvi
E quando ouvi
Fiquei louco e meti mais rápido
Debora:ai, quem diria que nossa santina era uma vadiazinha né? Agora me chupa sua safada
Debora sentou encima da boca da Bia
E a mesma ficou a chupando enquanto eu a metia
Aquilo era mesmo um sonho realizado
Debora me pegou pelo pescoço
Debora:me beija
Somente obedeci
Se eu tinha me viciado com beijo de lingua
Agora iria me viciar com sexo
Debora saiu de cima da Bia e sentiu que a mesma até voltou a respirar
Debora ficou de quatro, deitou a cabeça e denovo com os dois dedos abriu a buceta
Mesmo que ela tivesse se referido a outra coisa
Debora:come meu cuzinho agora vai…
Obrigado Deus
Diferente da buceta
O cuzinho da Debora era muito mais apertadinho
Segurei aquela bunda quase deixando marca
Mas me segurei para não estragar o momento
Mas óbvio que Debora me provocou
Debora:me bate safado, se ficou me provocando, agora aproveita
Dei um tapinha naquela bunda e ouvi o gemido
Bia batia sirica do nosso lado
Eu a olhando e ficando com mais tesão
Nem precisei pedir nada
Ela se aproximou de mim e me beijou
Desta vez parecia que estava apaixonada
Parei um pouco de comer a Debora
Porque estava prestes a gozar, e ainda não queria
Então as duas começaram a se pegar um pouco
Quando vi
Estavam fazendo uma tesoura, e eu batendo uma com a cena
Debora era a mais ativa, Bia só aceitando e gemendo
A surpresa
Foi quando Debora aproximou sua vagina da boca de Bia
E squirtou
Sim, eu não to zoando
Ela squirtou
Nesse momento não tinha mais como, avisei as garotas
As duas se posicionaram
Debora pagou um último boquete
E depois ficaram só esperando, pertinho uma da outra
Gozei
A carinha fofa das duas coberta pela minha porra
Para que depois continuassem se beijando
Nos limpamos
Demos um selinho uma última vez
Quando deu o fim de semana
Nunca quis tanto que chegasse segunda
Criamos um grupo só nós três e ficávamos trocando nudes
Repetimos a mesma coisa nos dias seguintes
Marcávamos de sair nós três só para achar um lugar pra nos pegar
Quando um faltava, outros dois se divertiam sozinhos
Quando Débora mudou de escola, nos separamos por um tempo, mesmo que tentávamos nos encontrar ao máximo
Comecei a namorar com Bia por um tempo
E foi bom, pois causei inveja nos meus amigos que sonhavam em pegar ela
Ma sexo sem compromisso sempre foi nosso forte
Então não nos mantemos nisso
Eu sei que pelas coisas incriveis que fizemos naquele dia, mais o fato de que eu era virgem
Vocês talvez não acreditem nessa história
Mas acreditem, ela é verdade